REDES SOCIAIS

16°C

Após furto de armas, ex-diretor de Arsenal de Guerra do Exército é transferido para Diretoria de Fabricação em SP

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Exército Brasileiro decidiu manter o tenente-coronel Rivelino Barata de Sousa Batista, ex-diretor do Arsenal de Guerra, em Barueri, em funções administrativas no Comando Militar do Sudeste, com sede na capital paulista. O blog apurou que desde a semana passada ele ocupa função administrativa no escritório da Diretoria de Fabricação, em São Paulo.

A Diretoria de Fabricação tem como atribuição planejar e controlar as atividades do Exército relativas à manutenção, modernização e nacionalização de material de emprego militar (MAM), como armas e munições, e é o órgão responsável pelos arsenais de guerra do Rio, São Paulo e General Câmara, no Rio Grande do Sul, classificados como organizações militares diretamente subordinada (OMDS).

Batista foi exonerado do cargo de diretor do Arsenal de Guerra após o furto de 21 metralhadoras do quartel ao qual era responsável. Mesmo assim, ele segue na ativa do Exército e até o momento não é investigado pelo desvio das armas. Duas metralhadoras calibre .50 ainda não foram localizadas.

Transferência para o Ceará revogada

Segundo publicação do Departamento-Geral de Pessoas (DGP) à qual o blog teve acesso, em 20 de outubro, um dia após a publicação no Diário Oficial da União com a exoneração do cargo de diretor do Arsenal de Guerra, o destino inicial do tenente-coronel era o Comando do Décimo. Regimento Militar, em Fortaleza (CE). Três dias depois, antes de Batista se apresentar em Fortaleza, outro boletim do DGP revogou a movimentação para o Ceará e formalizou a transferência para o Segundo Regimento Militar, em São Paulo.

Internamente, segundo apurou o blog, houve um constrangimento porque foi entendido por alguns militares de alto escalão que a ida de Batista para Fortaleza poderia ser encarada como uma promoção. Oficialmente, o Exército afirma que a revogação ocorreu por “necessidade do serviço”.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS