REDES SOCIAIS

34°C

‘Blinken diz discordar de Lula ‘fortemente’ em fala sobre Israel, mas que são amigos e ‘unidos’ por libertar reféns e cessar-fogo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O secretário de Estado do governo americano, Antony Blinken, falou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (22) sobre a conversa que teve com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na véspera.

Blinken disse que refletiu sobre o que falaram, principalmente sobre as agendas em comum. Afirmou que é amigo de Lula, mas manifestou que discorda das falas do brasileiro de que há um genocídio em Gaza e que comparam a morte de palestinos em ataques israelenses ao Holocausto, o extermínio de judeus praticado pelo regime nazista alemão.

“Obviamente, nós discordamos fortemente comparação entre Gaza e o Holocausto. Mas isso é algo que os amigos fazem. Podemos ter discordâncias sobre um aspecto de uma questão e ainda continuar o trabalho vital que estamos fazendo juntos”, disse Blinken.

“E estamos unidos em ter objetivos compartilhados: tirar reféns, obter um cessar-fogo humanitário estendido, juntamente com mais assistência humanitária e terminar o conflito.”

Clima e Amazônia

Blinken afirmou que Brasil e Estados Unidos são “líderes” na luta contra as mudanças climáticas e que “cuidar da Amazônia, hoje, é cuidar do planeta”: “E cuidar do planeta Terra, hoje, é cuidar da nossa própria sobrevivência. Acho que ninguém poderia definir melhor essa situação”.

“Os Estados Unidos estão lado a lado do Brasil para apoiar esses esforços para preservar a Floresta Amazônica, para diminuir o desflorestamento. Nós estamos colocando recursos nisso”, disse Blinken, lembrando que o Brasil vai sediar o COP 30 em 2025.

Encontro em Brasília

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Lula e Blinken se reuniram por cerca de 2 horas no Palácio do Planalto. na quarta. Representantes dos dois governos também estiveram presentes.

O encontro de Blinken e Lula ocorreu em meio à polêmica causada por uma fala do presidente no fim de semana.

Em viagem oficial à Etiópia, Lula criticou a ação militar de Israel e comparou os ataques israelenses ao Holocausto perpetrado pelo regime nazista contra os judeus. A fala de Lula gerou indignação do governo de Israel, que exigiu desculpas do presidente.

Após o encontro, a embaixada dos Estados Unidos divulgou um relatório sobre os principais pontos da conversa. Essa nota não cita as declarações de Blinken sobre as falas de Lula.

“O secretário discutiu o empenho dos EUA em relação ao conflito em Gaza, incluindo o trabalho urgente com parceiros para facilitar a libertação de todos os reféns e para aumentar a assistência humanitária e melhorar a proteção dos civis palestinos”, afirmou o informativo da embaixada.

Essa foi a única menção, segundo o governo norte-americano, sobre o conflito em Gaza.

Venezuela

Segundo o governo dos Estados Unidos, Blinken elogiou Lula pela postura do Brasil na crise entre Venezuela e Guiana.

No fim do ano passado, o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, realizou um plebiscito para ouvir a população sobre anexar a região de Essequibo, que pertence à Guiana. A área é rica em recursos minerais. A ação da Venezuela gerou tensão entre os dois países, que ficam na fronteira norte do Brasil.

O governo Lula buscou mediar o conflito e evitar uma escalada nas animosidades.

No plebiscito, a população venezuelana concordou com a inclusão de Essequibo como território do país, mas a região continua pertencendo à Guiana.

“O secretário Blinken elogiou o presidente Lula pelo papel do Brasil na desescalada das tensões entre a Guiana e a Venezuela sobre a região de Essequibo”, afirmou a embaixada.

A nota cita também as eleições na Venezuela, marcadas para este ano, e lembra que o regime de Maduro se comprometeu com um um pleito democrático e transparente, o que não aconteceu nas últimas disputas eleitorias na Venezuela, segundo órgãos internacionais.

“O secretário reforçou a nossa posição de que Nicolas Maduro deve retornar à implementação do acordo do roteiro eleitoral de Barbados para garantir eleições presidenciais competitivas em 2024.”

Depois de Brasília, Blinken foi para o Rio de Janeiro, onde chanceleres dos países do G20 se encontram nesta semana. O Brasil vai sediar encontro de cúpula do G20 em novembro. Neste giro pela América do Sul, Blinken também terá reunião com o presidente Javier Milei, na Argentina.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS