REDES SOCIAIS

21°C

Botelho quer “pente fino” sobre precariedades da Prefeitura de Cuiabá para trabalhar campanha

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Fred Moraes

Única News

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O presidente da Assembleia Legislativa e pré-candidato à Prefeitura de Cuiabá, Eduardo Botelho (União Brasil), revelou nesta segunda-feira (19) que constituiu uma equipe para estudar e desenvolver um relatório aprofundado sobre a atual situação da Prefeitura de Cuiabá, já pensando em um plano de governo para apresentar na campanha.

Conforme o deputado, a equipe vai avaliar cada secretaria municipal para investigar os déficits orçamentários, a situação operacional e quais são as principais demandas e reclamações para planejar projetos para a recuperação da capital mato-grossense.

“Agora nós vamos começar a fazer esse estudo, estamos constituindo uma equipe para estudar a situação financeira, da saúde, do social, e estudar cada secretaria para nós apresentarmos um plano de governo, plano de recuperação e entrar na campanha com um projeto para Cuiabá. Isso que queremos: discutir a cidade e eu espero que seja uma campanha de propostas. Isso que nós iremos fazer”, conta o presidente.

Na semana passada, Eduardo Botelho já havia dito que focaria seu plano de governo em usar uma gestão técnica e comprometida com recursos públicos. O deputado explicou que esta seria uma das promessas feitas ao governador Mauro Mendes, presidente estadual de seu partido, durante a reunião que o definiu como candidato oficial.

“Uma das coisas que Mauro conversou comigo foi isso, se eu faria uma gestão técnica para recuperar Cuiabá e eu disse a ele que sim, porque é do meu perfil. Trabalharei para equilibrar as contas, até porque não podemos ter uma administração que faça uma gestão desastrosas”, disse Botelho.

Nos bastidores políticos comenta-se que o novo mandante do Palácio Alencastro enfrentará um difícil cenário administrativo. Após o Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT) revelar que existe um rombo de pelo menos R$ 1,2 bilhão nos cofres públicos, diversos vereadores afirmam que o “buraco” deve ser maior, pois alegam que diversas empresas possuem pagamentos pendentes com a prefeitura.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS