REDES SOCIAIS

18°C

‘Casuísmo’, diz relator no Senado sobre pressão de deputados da oposição para aprovar PEC que limita foro

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Relator no Senado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o foro privilegiado, o líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), disse nesta quarta-feira (3) que os deputados da oposição que hoje defendem o avanço da proposta o fazem por “casuísmo”.

A favor do texto, Randolfe lembra que a PEC foi aprovada em 2017 pelo Senado e, desde 2018, está parada na Câmara ? ano em que foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pela comissão especial.

“Sou a favor do fim do foro privilegiado por princípio, não por casuísmo. A PEC passou anos parada na Câmara dos Deputados, agora porque deputados criminosos estão sendo investigados pelo Supremo querem casuisticamente aprovar”, disse Randolfe à GloboNews.

A PEC em discussão limita o foro privilegiado apenas aos presidentes dos Três Poderes – da República, da Câmara e do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF). À época, a estimativa é que a aprovação da proposta restringiria o foro de até 30 mil pessoas, que passariam a ser julgadas pela justiça nos estados e não mais pelo STF.

Quando foi aprovada no Senado, em 2017, a PEC era discutida em meio à onda da Operação Lava Jato e respondia a um apelo popular para que políticos que eventualmente perdessem o foro pudessem ser investigados pela Vara de Curitiba.

O tema voltou à tona nas últimas semanas em Brasília, desde que foram feitas operações autorizadas pelo STF nos gabinetes de parlamentares. Deputados e senadores da oposição criticam a atuação do ministro Alexandre de Moraes nos processos.

E o julgamento do Supremo que pode ampliar o alcance do foro privilegiado deu ainda mais força à proposta no Congresso.

O relator do caso, ministro Gilmar Mendes, defende a manutenção do foro mesmo se a autoridade deixar o cargo – o que pode ter impacto, por exemplo, em ações que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro e o deputado Chiquinho Brazão (Sem partido-RJ), suspeito de ser um dos mandantes do assassinato de Marielle.

Pressão para votação

A PEC já pode ser votada diretamente no plenário da Câmara e, se não sofrer alterações, será promulgada.

Parlamentares da oposição têm pedido ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para que paute a proposta. O assunto deve fazer parte da próxima reunião de líderes em Brasília, na terça-feira (9).

“Tema prioritário. Vamos trabalhar para que seja pautada”, disse a líder da Minoria, Bia Kicis (PL-DF).

Reservadamente, deputados do Centrão dizem que o tema é um movimento da Oposição e que Lira não demonstrou pressa nem boa vontade para votá-lo. Porém, alguns desses parlamentares avaliam que, havendo consenso, a proposta pode ser pautada.

Isso porque cresce na Câmara um movimento para livrar da prisão o deputado Chiquinho Brazao (sem partido-RJ), suspeito de ser um dos mandantes da morte da vereadora Marielle Franco. Lideranças da Casa avaliam que esse resultado seria muito ruim para a imagem da Câmara. E que a votação da PEC seria uma ?moeda de troca? para garantir a manutenção da prisão do parlamentar.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS