REDES SOCIAIS

28°C

CNJ vai apurar conduta de juíza de SC que, aos gritos, repreendeu testemunha para ser chamada de ‘excelência’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou nesta quarta-feira (29) a instauração de uma reclamação disciplinar contra a juíza do trabalho Kismara Brustolin, do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (Santa Catarina).

O objetivo é apurar a conduta da magistrada durante uma sessão na Vara da Justiça do Trabalho em Xanxerê, no Oeste de Santa Catarina, onde ela repreende aos gritos uma testemunha e pede para que ele responda a ela com uma frase específica.

A situação foi registrada em vídeo e mostra a magistrada exigindo que o homem ? aparentemente assustado ? se dirija a ela com a frase: “O que a senhora deseja, excelência?”.

O blog teve acesso ao despacho que diz: “À vista do exposto, determino a instauração de Reclamação Disciplinar (RD) em face da juíza do trabalho substituta Kismara Brustolin, do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região.”

O TRT da 12ª Região também anunciou que decidiu suspender de novas audiências a juíza Kismara Brustolin ? que atua como substituta em processos.

A magistrada não se pronunciou oficialmente sobre os incidentes da sessão, ocorrida em 14 de novembro.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Confusão durante sessão

No recorte do trecho que gerou a manifestação da OAB-SC, a juíza interrompe a fala do homem e pede que ele fale a frase: “O que a senhora deseja, excelência?”.

A testemunha questiona se é obrigada a dizê-la e a magistrada diz que não, porém insiste e rebate que “se ele não fizer isso, o depoimento terminará e não será considerado”.

Depois pede novamente para ele parar de falar e o chama de “bocudo” – expressão usada para designar alguém que está falando demais.

Durante a audiência, o advogado Pedro Henrique Piccini tenta explicar a dificuldade da testemunha em se manifestar, porque estaria numa feira no momento.

Em seguida, a juíza interrompe o defensor alegando que o homem teria faltado ?com respeito?. Depois, a magistrada completa que a exclusão do depoimento ocorreu porque a testemunha ?não cumpriu com a urbanidade e educação?.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS