REDES SOCIAIS

25°C

Dorner diz não ter medo de ataques e afirma que aceitará apoio da esquerda

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Ari Miranda

Única News

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

O prefeito de Sinop (500 Km de Cuiabá), Roberto Dorner (Republicanos), disse nesta semana que irá tentar a reeleição na disputa eleitoral deste ano e fez questão de deixar claro que não teme ataques de seus rivais durante a campanha, em especial ao setor da Saúde.

Em 19 de outubro do ano passado, a Pasta foi alvo da Operação Cartão-Postal, deflagrada pela Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor) da Polícia Civil de Mato Grosso. A ação, que investiga um suposto esquema de desvio de recursos públicos na Saúde municipal.

“A democracia é assim. Respeitamos todos os candidatos que querem vir contra nós, mas somos tranquilos. Se vierem 10, 12 ou 15 candidatos, não tem problema. Cada um discuta suas propostas, porque a democracia é assim”, disse Dorner.

“Com certeza, a Saúde pode ser atacada. A maioria dos gestores tem problemas com a Saúde. Tivemos esse problema, mas não tem a ver com a Prefeitura, tanto é que não fui chamado para depor”, complementou.

Entre os alvo presos na operação, estavam o ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues, e seu sócio, o advogado Hugo Castilho, além de servidores e pessoas ligadas à pasta. Segundo as investigações, estima-se que o esquema causou um prejuízo de mais de R$ 87 milhões aos cofres públicos de Sinop.

RELEMBRE O CASO:

APOIO DA ESQUERDA

Apesar de ter posicionamento político de direita e prtencer a um partido do meio, o Republicanos, Dorner destacou que pretende abraçar o apoio do Partido Social Demicrático (PSD), sigla alinhada nacionalmente com a gestão do presidente Lula (PT) e presidida em Mato Grosso pelo ministro da Agricultura, Carlos Fávaro.

“Nosso partido é de direita, eles são de esquerda, mas querem nos apoiar. Queremos apoio de todo mundo, porque não podemos recuar com uma política arrumada”, disse.

“Se a esquerda quer apoiar, o que vamos fazer? Seremos sempre de direita”, concluiu.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS