REDES SOCIAIS

34°C

Em entrevista ao g1, Manato fala sobre segurança em divisas, porte de armas e parceria com igrejas

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Começou nesta segunda-feira (22) a série de entrevistas do g1 ES com os candidatos ao governo do estado do Espírito Santo. Ao vivo, Maíra Mendonça e Rafaela Marquezini conversaram com Manato (PL).

Veja acima a íntegra da conversa ou ouça abaixo o podcast.

Manato falou sobre propostas nas áreas de segurança pública, saúde, educação e geração de empregos. Na aérea de segurança, o candidato disse que pretende investir na vigilância de divisas nas rodovias, defendeu que cidadãos tenham porte de arma e disse que vai criar parcerias com igrejas para desenvolver projetos sociais que atendam crianças e jovens.

Na área da saúde, Manato prometeu construir hospitais e zerar filas de consultas eletivas. O candidato também falou que vai investir em escolas cívico-militares e ampliar a ajuda às prefeituras para a educação básica.

Os próximos entrevistados da série serão Audifax (Rede), na terça (23), Renato Casagrande (PSB), na quarta (24) e Guerino Zanon (PSD), na quinta (25). Por terem recebido 5% ou mais das intenções de voto cada na pesquisa Ipec de 17 de agosto, os candidatos terão direito a entrevistas com uma hora de duração.

Na sexta-feira (26) serão entrevistados Claudio Paiva (PRTB), Capitão Vinicius (PSTU) e Aridelmo (Novo). As entrevistas terão 20 minutos de duração, já que os candidatos receberam menos de 5% das intenções de voto cada.

A transmissão das entrevistas começará todos os dias às 14h. A ordem dos candidatos foi definida por sorteio.

Ao final da entrevista, Manato disse porque quer ser governador do Espírito Santo. Veja o que ele disse:

“Eu quero ser governador porque eu não concordo com o que está aí. Se não eu não seria candidato a governador. O palanque do governo, na vez passada tinha 18, agora tem 11 partidos. Todos fazem parte do governo. Não tem meritocracia. Eu quero um governo com meritocracia. Eu quero um governo que seja classe ‘A’ na hora econômica, mas combata a fome, combata a miséria. Eu quero um governo que cuide da saúde como tem que ser cuidado. Não precisa ter 25 mil pessoas para serem operadas. Eu quero um governo que seja mais ágil, que as licenças ambientais aconteçam, que gere emprego, gere renda, que tenha um diálogo; um governo que ouve a polícia, que invista na segurança pública. Hoje eu não vejo esse investimento. Investimento não é só comprar equipamento. Eu quero um governo que tenha um combate à fome, também, à miséria, diminua a linha da pobreza. Isso que nós estamos querendo. Nós queremos uma mudança de patamar. Chega de um, de outro, ‘A’ e ‘B’, e que, infelizmente a realidade é essa. Você pega um deputado federal que é médico, que poderia ir para a saúde, e coloca o deputado para ser secretário de Agricultura. Pega um outro que perdeu a eleição e vai ser diretor do Detran. Por que o turismo está ruim, está péssimo? Porque os últimos secretários não tem meritocracia”, falou Manato.

Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS