REDES SOCIAIS

34°C

Trump pede na Justiça que FBI seja impedido de analisar os documentos que ele levou para casa

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump entrou na Justiça nesta segunda-feira (22) para que o FBI seja temporariamente proibido de analisar os documentos apreendidos em sua mansão de Mar-a-Lago, na Flórida, em no dia 8 de agosto.

De acordo com o pedido dele, a proibição vai valer até que um árbitro seja nomeado para supervisionar o trabalho do FBI.

A moção judicial foi apresentada em um tribunal federal em West Palm Beach, na Flórida. O texto também exige que o Departamento de Justiça dos EUA forneça um inventário mais detalhado com os itens que o FBI apreendeu e pede para que itens que não estavam no escopo do mandado de busca sejam devolvidos.

“Não se pode permitir que a política afete a administração da justiça. O presidente Donald Trump é claramente o favorito nas primárias presidenciais republicanas de 2024 e nas eleições gerais de 2024, caso decida concorrer”, diz o documento.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Mais detalhes sobre o que foi apreendido

Trump também quer que o juiz obrigue o Departamento de Justiça (órgão equivalente ao Ministério de Justiça) a dar mais detalhes sobre o material apreendido.

Na última quinta-feira, o juiz Bruce Reinhart disse que estava inclinado a divulgar algumas das evidências apresentadas pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos para justificar sua busca na casa do ex-presidente.

Apesar das objeções do Departamento de Justiça, o juiz Bruce Reinhart disse acreditar que ?há partes da declaração que podem ser abertas?, referindo-se à declaração juramentada que apresenta as evidências que justificaram uma causa provável para uma busca na casa de Trump. 

Ele ordenou que o Departamento de Justiça divulgue uma versão editada do depoimento sob sigilo até o meio-dia da próxima quinta-feira, mas disse que o Departamento de Justiça terá a oportunidade de recorrer caso os promotores não concordem com sua versão proposta.

A ordem de Reinhart parecia marcar uma vitória para os meios de comunicação, que compareceram ao tribunal federal em West Palm Beach na quinta-feira para persuadir o magistrado de que o interesse público no depoimento supera os benefícios de mantê-lo sob sigilo.

O Departamento de Justiça se opõe à divulgação das provas.

Jay Bratt, chefe da seção de contrainteligência e controle de exportação do Departamento, disse ao juiz nesta quinta-feira que divulgar a declaração não é de interesse público porque pode prejudicar a investigação em andamento.

“Há outro interesse público em jogo e esse é o interesse público de que as investigações criminais possam avançar sem impedimentos”, disse.

Trump pode ter levado documentos proibidos para casa

A busca fez parte de uma investigação federal sobre se Trump removeu ilegalmente documentos quando deixou o cargo em janeiro de 2021, depois de perder a eleição presidencial para o democrata Joe Biden.

O Departamento de Justiça está investigando violações de três leis, incluindo uma disposição da Lei de Espionagem que proíbe a posse de informações de defesa nacional e outra lei que considera crime destruir, ocultar ou falsificar registros com a intenção de obstruir uma investigação.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS