REDES SOCIAIS

26°C

‘Esvazia o propósito’, diz presidente do Conselho de Política Criminal sobre PMs de SP decidirem sobre ligar câmeras corporais em ocorrências

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), Douglas de Melo Martins, disse, nesta quinta-feira (23), que a decisão do governo de São Paulo que prevê a possibilidade de policiais militares escolherem se querem ligar ou não as câmeras corporais em ocorrências ?esvazia o propósito? da ferramenta.

Ele alerta para o fato de uma decisão como essa colocar em xeque a função das câmaras corporais, pois, de acordo com ele, “atribui às câmeras apenas a função de produzir evidências contra quem está passando por uma situação de abordagem ou operação policial”.

Martins disse ainda que o Conselho não foi procurado pelo governo de São Paulo para tratar sobre a nova decisão. Ele pontua que as câmeras corporais “não são úteis apenas na produção de provas. ?Elas também possuem o objetivo de inibir a violência policial”, disse, em conversa por telefone com a Globonews.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O governo de São Paulo lançou um edital nesta quarta-feira (22) para a contratação de 12 mil novas câmeras corporais para a Polícia Militar. Segundo o documento, a gravação de vídeos pelo equipamento deverá ser realizada de forma intencional, ou seja, o policial será responsável pela escolha de gravar ou não uma ocorrência.

Martins relatou que o CNPCP soube da medida pela imprensa. Na avaliação dele, a nova regra contraria a recomendação da resolução do Conselho, divulgada em janeiro, que orienta o uso de câmeras corporais nas atividades dos agentes de segurança pública e de segurança e vigilância privada de todo o país.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS