REDES SOCIAIS

19°C

Greve em aeroportos alemães faz Lufthansa cancelar mais de 1.300 voos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Uma greve de 24 horas em sete aeroportos alemães, incluindo Frankfurt e Munique, nesta sexta-feira (17) fez a Lufthansa cancelar mais de 1.300 voos ao longo do dia.

Voos internacionais saindo da Alemanha também devem ser afetados.

A companhia também suspendeu as operações nos aeroportos centrais de Frankfurt e Munique na sexta-feira.

A paralisação deve afetar quase 300.000 passageiros.

Trabalhadores sindicalizados pressionam por salários mais altos e ameaçam um verão de “caos” se suas demandas não forem atendidas.

A greve coincidiu com o início da Conferência de Segurança de Munique, com a presença de mais de 40 chefes de estado e 60 ministros.

Em um sinal precoce da interrupção, o ministro das Relações Exteriores da Romênia, incapaz de embarcar em um voo cancelado, será forçado a voar para a Áustria e depois fazer a viagem de mais de quatro horas até Munique, disse um funcionário da embaixada romena.

É a mais recente de uma série de greves e protestos que atingiram as principais economias europeias, incluindo França, Grã-Bretanha e Espanha, à medida que os preços mais altos de alimentos e energia afetaram a renda e os padrões de vida após a pandemia e a guerra na Ucrânia.

Cerca de 295.000 passageiros são afetados pelo cancelamento de cerca de 2.340 voos nos aeroportos de Bremen, Dortmund, Frankfurt, Hamburgo, Hanover, Munique e Stuttgart, de acordo com a associação de aeroportos ADV.

?Realmente não tivemos tal escalada por meio de greve?, disse Ralph Beisel, da ADV, à emissora Bayerischer Rundfunk. ?Quando olhamos para os terminais do aeroporto esta manhã, isso nos lembra mais dos piores dias do coronavírus e menos de um aviso?.

O sindicato alemão Verdi anunciou a greve na quarta-feira depois de dizer que os esforços de negociação coletiva para funcionários de serviços terrestres, funcionários do setor público e trabalhadores de segurança da aviação tiveram pouco progresso.

O sindicato pressionou por um aumento salarial de 10,5%, ou pelo menos 500 euros por mês.

“Se nada for feito sobre o pagamento agora, todos teremos outro verão caótico”, disse a vice-presidente do Verdi, Christine Behle, ao Inforadio. “Trata-se de enviar um sinal muito forte.”

A Lufthansa se recusou a dar uma estimativa do custo da greve, mas em ocasiões anteriores disse que paralisações do tipo costumam custar de 10 a 15 milhões de euros por dia.

O chefe do Verdi, Frank Werneke, disse ao jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung que a greve pode se expandir para hospitais e coleta de lixo.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS