REDES SOCIAIS

30°C

Integrantes da CPI do MST vão a Presidente Prudente (SP) se reunir com polícia e visitar área rural

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Integrantes da CPI do MST viajarão na segunda-feira (26) a Presidente Prudente (SP) para uma reunião no Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter) e visitas à zona rural do Pontal do Paranapanema.

Às 8h, está marcada uma reunião com um delegado do órgão, vinculado à Polícia Civil de São Paulo. Na sequência, os parlamentares farão diligências na área rural, em local que ainda será definido.

O relator da CPI, Ricardo Salles (PL-SP), afirmou que o objetivo é analisar ?os casos todos de invasão de propriedade no Pontal do Paranapanema sob a investigação do delegado titular do Deinter?.

A comitiva contará com parlamentares da base do governo e da oposição, estes ligados à bancada ruralista e apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro. Confirmaram presença:

  • Coronel Zucco (Republicanos-RS), presidente da comissão;
  • Ricardo Salles (PL-SP), relator;
  • Capitão Alden (PL-BA);
  • Caroline de Toni (PL-SC);
  • Magda Mofatto (PL-GO);
  • Messias Donato (Republicanos-ES);
  • Nilto Tatto (PT-SP);
  • Rodolfo Nogueira (PL-MS).

Além deles, comporão a comitiva um assessor da deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e um consultor da Câmara.

Arbitrariedades

Os deputados da base governista na CPI reclamam da falta de previsibilidade da agenda de visitas. O relator disse que pretende ir até estados em que ocorreram ocupações do MST nos últimos meses, mas não fechou o cronograma de viagens.

Sob protestos dos governistas, ficou acertado que o local da diligência será informado aos integrantes da CPI com 72 horas de antecedência. O prazo foi considerado insuficiente pelos deputados da base aliada ao governo.

?Essa diligência de segunda-feira, a única informação que a gente tem é que vai ser em Prudente, para conversar com um delegado, e depois o delegado vai levar a comissão para visitar alguns lugares, mas a gente não sabe quais lugares, qual o intuito, qual o tema. É bastante arbitrário?, afirmou ao g1 a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP).

Leia também:

CPI do MST

A CPI foi instalada em 17 de maio. O requerimento de criação foi protocolado pelo deputado Coronel Zucco (Republicanos-RS) e contou com o apoio de 172 parlamentares, a maioria do PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro.

A abertura da CPI do MST foi motivada por recentes ocupações que o movimento fez.

No período entre janeiro e 23 de abril de 2023, o MST realizou 33 invasões de imóveis rurais pelo Brasil, número que supera o total de ações em cada um dos últimos 5 anos.

Apesar da maioria das ações já ter sido desmobilizada após negociações com o governo federal, defensores da CPI querem apurar o que chamam de ?real propósito? do movimento e de seus financiadores.

A base governista afirma que o objetivo da comissão é criminalizar o MST, tirar o foco dos atos golpistas de 8 de janeiro e servir de palanque político a deputados bolsonaristas que perderam as eleições em 2022, com a derrota do ex-presidente.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS