REDES SOCIAIS

25°C

?Liberação criará várias ?cracolândias? no país?, afirma Coronel Assis

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

image

As recentes declarações feitas pelo ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, sobre a Lei nº 11.343 de 2006 e seu posicionamento favorável a descriminalização das drogas para “desafogar” o sistema carcerário brasileiro voltaram a ser alvo de críticas nesta quinta-feira (6) pelo deputado federal Coronel Assis (UB-MT) em entrevista ao Podcast “Tudo & Política”, do site TV Única.

Assis avaliou como “rasa” a discussão sobre a liberação do uso de drogas como forma de refrear a criminalidade, condenando veementemente a postura do ministro, alegando não ser este o caminho para a redução da criminalidade e, consequentemente, o número de detentos no sistema prisional brasileiro.

“No Brasil parece que as pessoas pensam que irão resolver o problema da violência ou o problema da segurança liberando quem ‘tá’ preso, por que a declaração do ministro foi justamente sobre isso. (…) A partir do momento que nós liberarmos as drogas, nós teremos uma legião de dependentes químicos no nosso país. Imagine quantas ‘cracolândias’ nós teremos em nossas cidades”, questionou.

“Porque a partir do momento que o cidadão virou um dependente, não tem o que fazer, a não ser tratar. E muitos dependentes, sem generalizar, vão fazer de tudo pra manter a sua dependência. Então, nós vamos aumentar o número de furtos, aumentaremos o número de roubos, de homicídios ligados a dívidas de droga, brigas por território. (…) Então calma lá, ministro! Me ajuda”, disparou.

O parlamentar defendeu que hajam mais investimentos por parte do Governo Federal na segurança pública, com o combate ao tráfico nas fronteiras e a descapitalização das facções que atuam no país, elencando ainda o investimento na ressocialização de egressos do Sistema Prisional e a conscientização de crianças e adolescentes sobre os males causados pelas drogas, defendendo ainda a participação da escola nessa conscientização.

“Nós temos que trabalhar o endurecimento de penas no Brasi, mas também temos que trabalhar as questões ligadas à ressocialização de egressos do sistema [prisional] e a conscientização dos jovens sobre o uso de drogas, à exemplo do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) da Polícia Militar, que aqui em Mato Grosso é um grande case de sucesso; o ‘Agente Mirim’, da Polícia Civil, o ‘Bombeiros do Futuro’. Ou seja, a gente precisa trabalhar essa conscientização, e a escola pode contribuir muito nesse processo”, concluiu.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS