REDES SOCIAIS

19°C

Mesmo antes de entrar em vigor, Câmara quer suspensão de cobrança do estacionamento rotativo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

 

Alegando prejuízo aos comerciantes, a Comissão de Indústria e Comércio da Câmara de Cuiabá, pediu por meio de um encaminhamento à Prefeitura de Cuiabá, a suspensão da cobrança do novo estacionamento rotativo, que entrará em vigor apenas no próximo mês. A decisão foi tomada durante uma reunião nesta quinta (09).

Integrante da Comissão, a vereadora Maysa Leão (Republicanos) afirma que a medida pode ser prejudicial aos comerciantes e diminuir seu fluxo de vendas, principalmente no fim de ano com Black Friday e o Natal.

“Desespero dos comerciantes do centro de Cuiabá, que tinham esperança na Black Friday, e no Natal. Agora os comerciantes terão a cobrança do estacionamento. Um lugar que não tem a menor segurança. Os comerciantes se sentem abandonados”, disse a vereadora Maysa Leão, integrante da Comissão de Indústria e Comércio.

O projeto faz parte de uma Parceria Público-Privada (PPP) de cerca de R$100 milhões em investimentos no centro da cidade, dentre elas, o novo Mercado Miguel Sutil, além de requalificação das vias locais e melhorias para pedestres no centro urbano. No entanto, até agora nada foi feito. A tarifa terá o valor de R$ 2 para moto e R$ 3 para carro pelo período de uma hora.

Conforme os parlamentares, a única possibilidade do serviço vigorar é caso a empresa oferecer algum benefício à população. A Comissão aguarda o retorno da indicação feita ao Executivo.

A iniciativa, operacionalizada pelo Consórcio CS Mobi Cuiabá, investirá cerca de R$ 125 milhões para promover a revitalização do centro histórico, incluindo a construção do Mercado Municipal Miguel Sutil.

Para garantir que todos estejam preparados para a transição, por determinação do prefeito Emanuel Pinheiro, os cuiabanos terão mais de um mês de período educativo, antes do início da cobrança do estacionamento.

A fiscalização do horário de estacionamento será feita por meio do monitoramento das placas dos veículos. As placas serão lidas pelo sistema, e as informações corretas serão registradas para garantir a utilização adequada das vagas. Em caso de não pagamento do estacionamento rotativo, a concessionária não será responsável pela aplicação de multas e sim a Secretaria de Mobilidade Urbana (SEMOB).

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS