REDES SOCIAIS

22°C

Mesmo após pedido de Macron, diplomatas avaliam que negociação Mercosul-UE segue ‘normalmente’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Diplomatas brasileiros ouvidos pela GloboNews avaliaram nesta terça-feira (30) que as negociações pelo acordo comercial entre Mercosul e União Europeia devem continuar “normalmente”, mesmo após o pedido do presidente da França, Emmanuel Macron, para encerrar as conversas.

Pressionado internamente por protestos de agricultores franceses, Macron pediu à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que o bloco europeu desista das tratativas com o bloco sul-americano.

O acordo é negociado desde 1999. Em 2019, foi concluída a primeira etapa das conversas. Desde então, os termos passaram à fase de revisão, o que ainda não terminou. Além disso, exigências adicionais das partes têm adiado a conclusão.

A União Europeia, por exemplo, incluiu um documento adicional que, em linhas gerais, prevê sanções em caso de descumprimento de metas na área ambiental.

O Brasil, por sua vez, passou a cobrar alterações nas regras das chamadas compras governamentais. O país entende que é preciso estimular e proteger a indústria nacional em algumas áreas, como a saúde.

Para diplomatas ouvidos pelo g1, pressionado pelos agricultores, Macron decidiu “jogar para a torcida”. Mas, mesmo assim, as conversas prosseguirão.

“Macron está jogando para a torcida dele. É só um voto de 27 [membros da UE]”, afirmou um integrante da diplomacia brasileira.

“Quem fala e negocia pela Europa nas negociações é a comissão, que continua negociando normalmente com o Mercosul. Na semana passada, tivemos dois dias de reuniões em Brasília”, acrescentou.

De acordo com esses diplomatas, a assinatura do acordo não precisa ser aprovada de forma unânime pelos membros do bloco, basta que a maioria entre os 27 integrantes aprovem o texto.

‘Linha de chegada’

No ano passado, Ursula von der Leyen esteve em Brasília e, após se encontrar com o presidente Lula, disse que está na hora de o acordo “cruzar a linha de chegada”. Ela defendia, ainda, que o acordo fosse fechado em 2023, aproveitando a presidência brasileira do Mercosul, o que não ocorreu.

“Agora, finalmente, estamos próximos da linha de chegada. Acho que é o momento de cruzar a linha de chegada. O presidente Lula e eu nos comprometemos em concluir o acordo o quanto antes”, afirmou è época.

O Brasil sediou em dezembro a cúpula do Mercosul, e diplomatas chegaram a dizer que tinham a expectativa de, no evento, o acordo ser assinado, o que também não aconteceu. Às vésperas da cúpula, Macron criticou o acordo, afirmando que é “antiquado”.

Embora o presidente francês faça comentários contra o texto, outros líderes europeus têm se manifestado a favor, entre os quais Olaf Sholz (Alemanha), Pedro Sánchez (Espanha) e a própria Ursula von der Leyen, chefe da Comissão Europeia.

Outros acordos

Além do acordo com a União Europeia, o Mercosul também negocia acordos com:

  • Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, na sigla em inglês), que reúne países europeus fora da União Europeia;
  • Vietnã;
  • Canadá;
  • Indonésia.
  • Recentemente, foi fechado um acordo comercial com Singapura.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS