REDES SOCIAIS

28°C

Para aliados de Lula, PT deixou Bolsonaro dominar agenda na primeira semana de campanha

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Aliados do ex-presidente Lula, candidato do PT à Presidência nas eleições deste ano, avaliaram ao blog que o partido deixou o presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, pautar a agenda na primeira semana de campanha.

Para interlocutores de Lula, Bolsonaro direcionou o debate para a disputa pelo voto evangélico e saiu ganhando. Dizem que, mesmo com uma campanha baseada em fake news, Bolsonaro conseguiu levar Lula para esse “canto do ringue”.

O blog já mostrou que a campanha de Bolsonaro tem a “guerra santa” como estratégia. O presidente tem ido a igrejas e feito discursos sobre Deus. Enquanto isso, Lula tem dito que não fará “guerra santa” para não estimular a rivalidade de religiões, e Ciro Gomes (PDT) tem afirmado que Bolsonaro está “manipulando” a fé das pessoas.

Bolsonaro está em segundo lugar nas pesquisas eleitorais e busca formas de conseguir mais votos. Levantamento Datafolha divulgado na semana passada mostrou Bolsonaro com 32%, enquanto Lula aparece com 47%

A ordem na campanha de Lula é tirar a eleição da disputa religiosa, combatendo as fake news, e focar na agenda de país.

“A eleição não é uma disputa religiosa, é uma discussão sobre o futuro do país, é uma agenda de país, para católicos, evangélicos, espíritas e outras religiões”, afirma a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.

Agora, o PT quer reverter e evitar que Bolsonaro domine a agenda da campanha.

“Ele não tem um projeto para o país, por isso leva o debate para o campo dos costumes e da moral, quando a população quer saber é como será o seu futuro na economia, na educação, na saúde”, completa Gleisi.

Ela diz que o PT não vai cair na agenda religiosa de Bolsonaro, mas vai combater as notícias falsas.

“Durante o governo Lula, os evangélicos tinham representantes no Conselhão, eram ouvidos pelo presidente, nenhuma igreja foi fechada, vamos mostrar isso”, afirmou, para combater a disseminação de notícia falsa pela equipe de Bolsonaro.

Os petistas sabem que o candidato que domina a agenda tem mais chances de subir nas pesquisas de intenção de voto. Por isso, quer evitar ficar ?batendo boca? com Bolsonaro no campo dos costumes e da religião, onde o presidente se dá melhor e o PT, pior.

Inicialmente, o PT não iria adotar nenhuma estratégia para reverter a perda de votos entre evangélicos, mas depois avaliou que ?dormiu no ponto? e precisa atuar para estancar a alta do presidente neste segmento do eleitorado.

No fim de semana, o comitê de Lula pediu o registro no Tribunal Superior Eleitoral de vários perfis dedicados ao público evangélico, na busca de falar diretamente com esses eleitores.

Além disso, Lula vai continuar dizendo ser contra a ?instrumentalização da fé? e que igreja não pode se transformar em partido político. Ao mesmo tempo, aliados do petista no mundo evangélico, como André Janones, vai começar a atuar diretamente neste eleitorado para melhorar a posição do petista.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS