REDES SOCIAIS

17°C

Para aprovar reforma tributária, governo topa que Congresso vote veto do Marco Temporal, diz Jaques Wagner

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O líder do governo no Senado Federal, Jaques Wagner (PT-BA), afirmou nesta segunda-feira (6), que o governo estaria disposto a deixar o Congresso Nacional votar alguns vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em troca da aprovação da Reforma Tributária (PEC 45/2019).

A fala ocorreu após uma reunião de líderes da base do governo no Senado com o presidente Lula, no Palácio do Planalto. A reunião ainda contou com a presença dos ministros Fernando Haddad, da Fazenda, Rui Costa, da Casa Civil, e Alexandre Padilha, das Relações Institucionais.

?O instrumento básico é convencimento, e eu acho que nós temos um elemento suficiente pra fazer convencimento as pessoas. Vão desde o pedido de colocação na sessão de quinta-feira (9) do Congresso de determinados vetos, que interessa a determinados setores, sem o compromisso, evidente, do governo, pelo menos do líder do governo ou do líder do Congresso [de votar a favor da derrubada dos vetos]?, afirmou Wagner.

Na próxima quinta-feira (9), está prevista uma sessão para que o Congresso Nacional vote vetos a projetos que foram aprovados pelo Legislativo, mas barrados, de alguma maneira, pelo Executivo. Entre as propostas vetadas está o Marco Temporal (PL 2.903/2023).

Ao todo, são 34 vetos presidenciais que foram aprovados pelo Congresso em 2023 e outras 10 propostas vetadas pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, em 2022.

Segundo o líder do Senado, a oposição pediu isso, e o próprio Jaques defende que se coloque em votação.

“Não vou trabalhar para derrubar veto do presidente, mas a oposição trabalha, eles só querem que coloquem [em votação]. E eu defendi que coloque. […]. O Marco Temporal em algum momento vai ter que entrar. É isso que eu disse para o presidente”, concluiu o líder do governo.

Reforma Tributária

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado votará na manhã desta terça-feira (7) o texto da proposta de emenda à Constituição (PEC) da Reforma Tributária.

A etapa representa mais um avanço na discussão, que já dura quase três décadas, sobre um novo sistema tributário no país.

A expectativa é que o texto seja aprovado na CCJ e, ainda nesta semana, no plenário do Senado. Depois, deve voltar para a Câmara, onde já foi aprovado em julho.

Como os senadores deverão fazer modificações em relação ao texto da Câmara, é preciso que a PEC passe novamente pelos deputados antes de virar lei.

Questionado se o governo teria votos suficientes para aprovar a proposta na CCJ ? é necessária maioria simples dos votos ? Jaques não soube precisar o tamanho do apoio do governo.

?Eu não vou dizer para você quantos votos eu tenho. Eu tô dizendo para vocês que eu vou aprovar a Reforma Tributária”, reforçou.

Para virar lei, no plenário do Senado, a PEC ainda precisa receber três quintos dos votos favoráveis, ou seja, 49 senadores, em dois turnos.

Caso obtenha a quantidade mínima, a proposta segue para a Câmara dos Deputados, onde passará por uma nova discussão e terá que ser aprovada por, pelo menos, 308 deputados. Se aprovada, seguirá para sanção presidencial.

Marco Temporal

No final de outubro, o presidente Lula vetou o projeto de lei que estabelecia a data da promulgação da Constituição, em outubro de 1988, como Marco Temporal para a demarcação de terras indígenas.

Lula, no entanto, sancionou outros pontos da proposta, aprovada pelo Congresso Nacional em setembro, que definem regras das demarcações.

Entre os trechos que Lula sancionou, estão:

  • a previsão de que o processo de demarcação será público e com atos “amplamente divulgados” e divulgados para consulta online;
  • a previsão de que qualquer cidadão pode ter acesso às informações relativas a demarcações de terras indígenas, inclusive estudos, laudos, conclusões e argumentações;
  • o que diz que informações orais citadas no processo de demarcação terão efeito de prova quando apresentadas em audiências públicas ou registradas em áudio e vídeo, com a devida transcrição;
  • o que estabelece direito das partes interessadas no processo de receber tradução oral ou escrito da língua indígena para o português e vice e versa, por tradutor nomeado pela Funai.

Veja a lista completa do que foi vetado pelo presidente Lula a respeito da proposta do Marco Temporal clicando aqui.

VÍDEOS: tudo sobre política

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS