REDES SOCIAIS

30°C

Reforma tributária: Câmara teve percentual de votos favoráveis maior do que Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Os principais apoiadores da reforma tributária ? isto é, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e o relator da matéria Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) ? conseguiram reunir, na votação desta sexta-feira (15), 74,34% deputados favoráveis ao texto-base da proposta de emenda à Constituição (PEC) que atualiza o sistema tributário brasileiro.

A reforma tributária é debatida há 30 anos no Congresso. Os deputados aprovaram o texto-base, ou seja, o texto principal da proposta por 371 votos ?sim? e 121 votos ?não? (Veja como votaram). A PEC já havia passado pela Câmara em julho, mas voltou para análise dos deputados após alterações de conteúdo ? mérito ? feitas por parte dos senadores.

Proporcionalmente, o número de apoiadores na Câmara foi maior do que o observado no Senado (67,94%), quando 53 senadores votaram ?sim? e 24 ?não?.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A votação na Câmara dos Deputados aconteceu após a proposta passar quase 40 dias em negociação, desde a aprovação no Senado, em 8 de novembro.

A reforma simplifica tributos federais, estaduais e municipais. E estabelece a possibilidade de tratamentos diferenciados, e setores com alíquotas reduzidas como, por exemplo, serviços de educação, medicamentos, transporte coletivo de passageiros e produtos agropecuários.

Como apurou o blog do Valdo Cruz, parlamentares afirmaram que a proposta só voltou a andar após a derrubada de vetos pelo Congresso na quarta-feira (14). Entre os vetos presidenciais que foram barrados por deputados e senadores estão itens que afetam o arcabouço fiscal, o marco temporal e o voto qualificado do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

Impasse nas últimas horas

Líderes partidários passaram a quinta (14) em negociação para tentar destravar pontos das duas propostas. Arthur Lira também se encontrou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tentar harmonizar os interesses de deputados e senadores na versão final da reforma tributária.

Entre os temas que geram discordância entre Câmara e Senado, estão exceções incluídas pelos senadores na reforma tributária, como a criação de um imposto adicional sobre bens produzidos em todo o país que disputem mercado com a produção da Zona Franca de Manaus e a prorrogação de incentivos fiscais para montadoras no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste.

Além disso, o relator na Câmara acabou fazendo outra mudanças de última hora. Entre eles, estão:

  • Cesta básica estendida

Inicialmente, o texto na Câmara previa isenção de imposto para a cesta básica nacional. No Senado, foi criada ainda uma cesta básica estendida, que teria outros itens e alíquota reduzida de impostos.

Essa cesta básica estendida foi retirada do texto da Câmara.

O relator entendeu que é melhor manter a isenção para a cesta básica nacional e manter um cashback para outros produtos que sejam muito comprados pela população pobre.

Ribeiro considera que, assim, o mecanismo é mais eficiente para atender as populações carentes.

  • Cide

Como a reforma tributária prevê extinguir uma série de impostos e unificá-los em um Imposto Sobre Valor Agregado (IVA), alguns tributos hoje pagos deixarão de existir.

Com isso, a Zona Franca de Manaus, que já tem menos impostos que o resto do país, alegou que poderia perder competitividade. Para contornar essa questão, o Senado criou a Cide para alguns produtos do resto do país.

Esse trecho foi retirado do relatório de Aguinaldo. Como compensação, foi mantido o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos do resto do país que competem com os da Zona Franca de Manaus.

“Optamos em conjunto eu e o senador Eduardo Braga [relator no Senado], ouvindo todos pela supressão da Cide, e adotarmos o IPI, que será o IPI da Zona Franca, que cumprirá o mesmo papel” disse o deputado Aguinaldo.

  • Regimes específicos

Aguinaldo também retirou setores da lista de regimes específicos, que terão uma regra diferente para a cobrança do futuro do imposto. Saíram do texto os setores de:

  • serviços de saneamento e de concessão de rodovias;
  • serviços de transporte aéreo;
  • operações que envolvam a disponibilização da estrutura compartilhada dos serviços de telecomunicações
  • bens e serviços que promovam a economia circular visando;
  • à sustentabilidade no uso de recursos naturais;
  • operações com microgeração e minigeração distribuída de energia elétrica.

O relator também retirou medicamentos e dispositivos médicos adquiridos por entidades de assistência social da lista de produtos que poderiam ter redução de 100% do futuro IVA.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS