REDES SOCIAIS

35°C

Reunião tensa, com troca de farpas, frustra planos de Lula de barrar CPI da Braskem e apaziguar disputa entre Renan e Lira

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Os discursos públicos das autoridades que estavam na reunião no Palácio do Planalto sobre a tragédia da Braskem tentaram passar a mensagem de que o encontro desta terça-feira (12) serviu para apaziguar os ânimos e pacificar, ainda que temporariamente, a disputa entre os grupos de Arthur Lira/João Henrique Caldas (JHC) e Renan Calheiros/Paulo Dantas.

Foi o recado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva repetiu aos presentes. No entanto, relatos ouvidos pelo blog de quem estava na conversa apontam para uma reunião tensa, com direito a ataques, interrupções de falas e insatisfações de parte a parte.

De um lado está o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL). Do outro lado está o senador Renan Calheiros (MDB) e o governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB).

Pela primeira vez, Renan, Lira e seus aliados dividiram uma mesma mesa para tratar do assunto. O encontro durou quase três horas.

O esperado embate entre Lira e Renan não aconteceu. Os dois evitaram o confronto direto, enquanto seus aliados, JHC e Paulo Dantas, protagonizavam a troca de farpas.

O primeiro a falar foi o governador de Alagoas. Segundo relatos, ele foi interrompido pelo prefeito de Maceió e houve uma discussão sobre o acordo firmado entre a Braskem e a Prefeitura de Maceió.

Quando JHC estava com a palavra, foi a vez de Renan Calheiros interrompê-lo algumas vezes para criticar o mesmo acordo. Lira ficou a maior parte do tempo quieto. Quando teve a palavra, demonstrou incômodo com o nível e os rumos da conversa.

Dantas e Renan defendem a anulação do acordo entre a Braskem e a Prefeitura de Maceió, com o argumento de que os termos são desvantajosos para o poder público, além de serem insuficientes para indenizar toda a população afetada pela tragédia.

A empresa pagou R$ 1,7 bilhão de indenização ao município para não sofrer mais nenhum tipo de responsabilização. JHC e Lira defendem a manutenção do acordo, ainda que a Braskem possa vir a sofrer condenações na Justiça.

Ainda de acordo com relatos dos participantes, Lula pediu uma trégua na briga política para que o foco seja o atendimento às vítimas. Argumentou que um ambiente político conturbado atrapalha a busca por uma solução.

O Palácio do Planalto é contra a instalação da CPI da Braskem por avaliar que pode atrapalhar o andamento das pautas no Congresso nessa reta final do ano e, também, pelo potencial de azedar a relação do governo com Lira.

Segundo os relatos, Lula não pediu textualmente que a CPI não seja instalada, mas deu o recado ao questionar a efetividade de uma comissão nesse momento e ao citar a máxima de que ?CPI sabe-se como começa, mas não como termina?.

Na avaliação de um dos presentes, a conversa serviu para Lula ?medir a temperatura da beligerância? em Alagoas e constatar que a disputa é mais profunda do que se imaginava.

Apesar do apelo de alguns dos presentes, Lula afirmou que não vai visitar Alagoas enquanto não for pacificada a relação entre o governo do estado e a Prefeitura de Maceió.

Houve um acordo para que ocorra uma nova reunião entre Lula, o governo estadual, a prefeitura, a bancada de Alagoas e a Braskem, ainda sem data definida.

Na próxima quinta-feira (14), procuradores da Advocacia-Geral da União que atuaram em tragédias recentes, como Mariana (MG) e Brumadinho (MG), terão uma reunião em Maceió com representantes do governo e da prefeitura da capital.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS