REDES SOCIAIS

21°C

Senado vai analisar PEC que libera ‘orçamento de guerra’ para crises climáticas como as chuvas no RS

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Senado deve começar a analisar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria um “orçamento de guerra” ? ou seja, fora do Orçamento-Geral da União ? para calamidades climáticas como as fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul desde a última semana.

Salas de situação em Porto Alegre e em Brasília monitoram o avanço das águas ? 336 municípios tiveram situação de calamidade pública reconhecida. Até a tarde de domingo (5), a Defesa Civil listava 78 mortos e 105 desaparecidos.

Autor do texto, o senador Alessandro Vieira (MDB-SE) afirmou em rede social nesta segunda-feira (6) que já tinha reunido as 27 assinaturas necessárias para colocar o tema em tramitação.

“Já conseguimos as assinaturas necessárias para tramitar a PEC que cria um regime especial para a reconstrução do RS e um instrumento permanente para tragédias desta magnitude. Trabalhando de forma integrada e suprapartidária o Congresso dará sua contribuição neste grave momento”, escreveu.

No domingo, após sobrevoarem com o presidente Lula as áreas atingidas, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defenderam medidas para flexibilizar as regras fiscais e facilitar o socorro financeiro ao estado.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

“Eu penso, presidente Pacheco, que a nossa responsabilidade essa semana será de perseverança, de discussão e de rumo para que a gente ali elabore uma medida totalmente extraordinária”, disse o presidente da Câmara.

Pacheco, por sua vez, destacou que o momento é para “retirar da prateleira e da mesa a burocracia” ? e citou o exemplo da PEC de Guerra, que autorizou uso de dinheiro público fora das regras de controle fiscal durante a pandemia.

“Fizemos isso na pandemia com muita altivez no âmbito do Congresso Nacional com proposta de emenda à constituição que apelidamos de PEC da Guerra, com inúmeras medidas legislativas excepcionais”, declarou Pacheco.

Líderes partidários da Câmara e do Senado devem se reunir no início desta semana para decidir a tramitação dessas medidas. Há chance de que se adote um rito acelerado para viabilizar o envio dos recursos.

O que prevê a PEC

O texto prevê que o chamado “orçamento de guerra”, apartado do Orçamento-Geral, seja criado em caso de “calamidade pública ambiental de importância regional ou local“.

Para que as regras extraordinárias valham, a PEC estabelece que:

  • a calamidade tem que ser “reconhecida pelo Congresso Nacional”, após solicitação do Presidente da República;
  • a regra excepcional deve ser usada “somente naquilo em que a urgência for incompatível com o regime regular”;
  • o dinheiro deve ir para “ações da União nas áreas afetadas com o objetivo de auxiliar os entes afetados”.

Se o “orçamento de guerra” for aprovado, a PEC prevê que as regras sejam as mesmas incluídas na Constituição em 2021 para o regime extraordinário usado na pandemia de Covid.

Elas incluem:

  • processos simplificados para contratação temporária e emergencial de pessoas, obras, serviços e compras ? na prática, dispensa de licitação e concurso público;
  • autorização para o Legislativo e o Executivo aprovarem medidas que representam aumento de gastos sem indicar a fonte dos recursos ou a compensação orçamentária;
  • permissão para contratar esses bens e serviços inclusive de empresas que tenham dívidas com a Previdência (o que é vedado em situações normais);
  • aval para a União ignorar restrições orçamentárias sobre créditos extraordinários, remanejamento de recursos e transferências para estados e municípios.

Relembre no vídeo abaixo, de 2020, as regras aprovadas para o enfrentamento à pandemia:

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS