REDES SOCIAIS

34°C

Tentativa de golpe: ex-comandante da FAB relata existência de ordem para atrasar relatório da Defesa sobre lisura das urnas

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Jr., ex-comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), disse em depoimento à Polícia Federal que “ouviu” sobre a existência de uma ordem para atrasar a divulgação de um relatório, feito pelo Ministério da Defesa, que atestava a lisura das urnas eletrônicas, nas eleições de 2022.

As declarações fazem parte do depoimento prestado pelo militar à PF no mês passado, como testemunha, no inquérito que apura tentativa de golpe de Estado no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Nesta sexta-feira (15), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes retirou o sigilo de 27 depoimentos tomados na investigação.

Durante as eleições de 2022, o Ministério da Defesa constituiu uma Comissão de Fiscalização para atestar a lisura da votação. O relatório não apontou falhas no sistema, mas levantou dúvida sobre a possibilidade de problemas na votação.

Baptista Jr. acompanhou o trabalho do grupo e disse à PF que, desde antes do primeiro turno das eleições até o fim do processo, a comissão “não identificou qualquer irregularidade ou fraude no sistema eletrônico de votação”.

Veja abaixo reportagem da época sobre a cobrança do TCU:

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

No depoimento à PF, o ex-comandante da FAB disse que “pela celeridade e dinâmica do trabalho da Comissão de Fiscalização, acredita que teria sido possível divulgar antes” o relatório.

Os investigadores, então, questionaram se o ex-presidente Jair Bolsonaro barrou a divulgação dos dados. Baptista Jr. respondeu que “não participou, mas ouviu que houve uma determinação para não divulgar o Relatório de Fiscalização do Sistema Eletrônico do 1º turno de votação”.

LEIA TAMBÉM:

O ex-comandante disse ainda que Bolsonaro era informado dos avanços do grupo, e que ele “tinha ciência de que a Comissão de Fiscalização não identificou qualquer fraude nas eleições de 2022, tanto no primeiro, quanto no segundo turno”.

Questionado por que a Defesa não entregou o relatório ao TCU e ao TSE, no prazo determinado, Baptista Jr. disse não saber o motivo.

Nota sobre relatório

Os investigadores também perguntaram ao ex-comandante da Aeronáutica se ele foi consultado sobre uma nota divulgada pelo Ministério da Defesa, um dia após a publicação do relatório.

No texto, a pasta afirmava que o documento “embora não tenha apontado também não excluiu a possibilidade de existência de fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas e no processo eleitoral de 2022”.

Baptista Jr. afirmou que não foi consultado sobre o texto, que acredita que os técnicos também não foram ouvidos, e que a nota foi de “responsabilidade exclusiva” do Ministério da Defesa.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS