REDES SOCIAIS

35°C

Todos os indícios apontam que havia Abin paralela, diz novo nº2 da agência

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O novo número dois da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Marco Cepik, avalia que todos os indícios apontam que havia, de fato, uma Abin paralela em atividade durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Cepik, que foi nomeado novo diretor-adjunto da Abin na terça (30), foi entrevistado no Estúdio i, da GloboNews, nesta quarta-feira (31).

“O avanço das investigações apontam para isso [existência da Abin paralela]. Temos que aguardar o final do processo investigatório nas três instâncias administrativas e criminal, para verificar a comprovação não só sobre se houve, mas sobre quem estava ali. Todos os indícios que se tem é de que havia, sim”, disse.

Segundo Cepik, houve afastamento de policiais federais: ?Foram de pessoas específicas, que participaram da gestão de (Alexandre) Ramagem?, disse ele.

Na avaliação dele, no entanto, a decisão de manter na agência pessoas que tiveram cargos de confiança durante o governo Bolsonaro não foi um erro do diretor-geral Luiz Fernando Corrêa. Ao assumir o comando da agência no início do governo Lula, Corrêa manteve nomes que haviam sido apontados na gestão anterior.

Esta reportagem está em atualização.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS