REDES SOCIAIS

26°C

Após quatro anos, Brasil deve retornar à Unasul

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) articula o retorno do Brasil à União das Nações Sul-Americanas (Unasul). A expectativa entre integrantes do Executivo é que o anúncio aconteça nas próximas semanas, em meio às agendas dos 100 dias da nova gestão.

A Unasul é um organismo internacional criado em 2008, quando os países da região eram governadores majoritariamente por presidentes de esquerda, entre os quais Lula (Brasil), Cristina Kirchner (Argentina), Hugo Chávez (Venezuela) e Michelle Bachelet (Chile).

Quando a Unasul foi criada, Lula destacou que o organismo buscaria maior integração entre os países sul-americanos e a superação de divergências locais. Em abril de 2019, o Brasil deixou de integrar o bloco após a criação de um novo fórum composto por países da sul-americanos, o Prosul (veja mais abaixo).

Na época em que o país deixou a União das Nações Sul-Americanas, o então presidente da República Jair Bolsonaro disse que o grupo vivia uma “prolongada crise”.

Retorno da Argentina

A Argentina, que também deixou a Unasul, voltará a integrar o grupo. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (6) pelo ministro das Relações Exteriores do país, Santiago Cafiero.

“Por decisão soberana, a Argentina volta à Unasul como Estado-Membro para promover sua revitalização institucional e construir uma região cada vez mais integrada. Isto é o que determinou o presidente Alberto Fernández, e eu comuniquei isso aos chanceleres dos Estados-Membros”, publicou Cafiero em uma rede social.

Lula e Alberto Fernández são aliados políticos e têm defendido maior integração entre os países da América do Sul, além do fortalecimento do bloco do Mercosul, que também conta com Paraguai e Uruguai.

Prosul

A criação do Prosul aconteceu em março de 2019 em uma cerimônia no Chile, da qual participaram diversas autoridades, entre elas, JairJair Bolsonaro (Brasil), Mauricio Macri (Argentina), Iván Duque Márquez (Colômbia) e Sebastián Piñera (Chile).

O argumento para a criação do Prosul foi o de que o fórum serviria como um espaço voltado a discutir o desenvolvimento e a integração regional.

Na prática, o Prosul também serviu para os países isolarem a Venezuela, governada por Nicolás Maduro, uma vez que Bolsonaro, Macri e Iván Duque, por exemplo, apoiavam o autodeclarado presidente da Venezuela, Juan Guaidó.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS