REDES SOCIAIS

17°C

Após tapa entre deputados, líder do governo diz que Congresso não pode ser ‘terreiro de briga de galo’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), comentou nesta quinta-feira (21) o tapa dado pelo deputado governista Washington Quaquá (PT-RJ) no oposicionista Messias Donato (Republicanos-ES). A agressão ocorreu na quarta (20), durante a sessão do Congresso para promulgação da reforma tributária.

Em entrevista ao programa Conexão, da GloboNews, Guimarães disse que vê com “muita tristeza” o ocorrido, que a qualidade do Parlamentou “caiu muito nos últimos anos”, e que as discussões no Congresso têm ocorrido com “baixo nível”.

“Quando eu entro naquele plenário, ali não é um terreiro de briga de galo, não. Ali não pode ser esse tipo de coisa”, disse.

O líder do governo na Câmara disse que pediu ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), atuação para impedir comportamentos similares.

“Não se respeita mais nada. Você diz palavrão ali dentro e não acontece mais nada. Há que se chamar o feito à ordem. Eu disse para o presidente Arthur Lira que o Conselho de Ética precisa pôr fim a esse tipo de comportamento que agride o Parlamento e enoja a população brasileira, desse tipo de conduta ali dentro. Acho lamentável aquilo que aconteceu ali ontem”, afirmou.

Agressão em plenário

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A agressão ocorreu em um momento em que os deputados Washington Quaquá e Messias Donato discutiam (veja o vídeo acima).

Quaquá estava fazendo uma filmagem no plenário. Parlamentares governistas entoavam o nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava na sessão solene. Oposicionistas, por outro lado, gritavam contra Lula.

No meio da confusão, Quaquá teve o braço puxado e soltou uma ofensa homofóbica contra o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG).

Em nota enviada por sua assessoria, Quaquá disse que reagiu a ofensas que estavam sendo proferidas contra Lula.

“Em relação ao incidente ocorrido, esclareço que minha reação foi desencadeada por uma agressão anterior. O deputado proferia ofensas contra o presidente da República quando liguei a câmera do celular com a intenção de produzir prova para um processo. Fui então empurrado, e tive o braço segurado para evitar a filmagem. Nunca utilizo a violência como método, mas não tolero agressões verbais ou físicas da ultra direita, e sempre reagirei para me defender. Bateu, levou”, afirmou o deputado.

Mais tarde, na tribuna da Câmara, Donato disse que Quaquá atravessou o plenário filmando os oposicionistas e proferindo palavrões. Donato afirmou que queria evitar desentendimentos e interferiu para pedir que Quaquá parasse de fazer aquilo. Foi quando, segundo ele, recebeu o tapa.

“Um parlamentar que passou pelas urnas atravessa todo plenário e vem com o celular na mão e diz palavras de baixo calão que, em respeito às mulheres, eu não irei repetir. Foi quando com a mão esquerda eu coloquei a mão para pedir que ele parasse, eu sou do deixa disso, foi quando eu fui surpreendido com um tapa na face direita, a qual na segunda eu fiz uma cirurgia”, afirmou.

Nesta quinta-feira, Washington Quaquá disse ao blog da jornalista Andréia Sadi que teria agredido mais vezes Messias Donato se fosse agredido por estar “defendendo o presidente da República”.

“Dei tapa e daria três, quatro, se precisasse. Eu fui filmar para representar no Conselho de Ética contra o Nikolas e esse outro deputado que eu não conhecia tentou tirar celular da minha mão […] eu dei um tapa e daria quantos fossem necessários porque não abaixo a cabeça para fascista?, disse.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS