REDES SOCIAIS

18°C

Câmara de Cuiabá nega salário de R$18,9 mil a Edna Sampaio

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

@media only screen and (max-width: 767px) {
.img-wrapper {
margin-bottom: 5px;
}

.content-title {
margin-bottom: 10px;
}
}

Edna Sampaio

 

A Secretaria de Gestão de Pessoas, da Câmara de Cuiabá, rejeitou o pedido da vereadora Edna Sampaio (PT) para o recebimento do salário de parlamentar, na ordem de de R$ 18,9 mil. Em requerimento feito à Casa Legislativa na semana passada, a petista disse que o pagamento é legal devido à compatibilidade de compatibilidade de horários entre a função de vereadora e seus outros dois cargos públicos.

Desde que assumiu a legislatura em 2021, Edna abriu mão de receber os proventos de vereadora para continuar recebendo como servidora pública, nos cargos de gestora governamental, na Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MT), onde recebe R$ 33,4 mil mensais; e também na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), onde é lotada como professora universitária e recebe mensalmente R$ 10,1 mil. Somados, os dois salários rendem à vereadora R$ 43,5 mil de renda mensal
.
Além disso, ela também recebe a Verba Indenizatória da Câmara, no valor de 19,2 mil, além de R$ 2 mil em auxílio-saúde e gratificação de desempenho, no valor R$ 6,6 mil.

No documento protocolado no Parlamento cuiabano, Edna argumentou que, como está de licença-prêmio e férias simultaneamente nos outros dois cargos, teria o direito a receber os vencimentos de vereadora no período.

Caso o pedido fosse aceito, ela receberia mensalmente, entre salários e benefícios, o valor expressivo de R$ 105.897,76.

COMISSÃO PREVIU REJEIÇÃO

No final da semana passada, o presidente da Comissão de Ética da Casa de Leis, vereador Rodrigo Arruda e Sá (Cidadania), destacou que o pedido é considerado “sem cabimento” e que a Casa de Leis provavelmente indeferiria a solicitação.

“Ela pediu, mas legalmente a Casa com certeza não vai deferir esse pedido, não vai. Até porque ela tem que fazer escolha da proporcionalidade”, afirmou.

CASSAÇÃO

Edna Sampaio teve o mandato cassado no dia 11 de outubro, por suposto esquema de “rachadinha” com a verba indenizatória de sua ex-chefe de gabinete, Laura Natasha Abreu.

Todavia, ela conseguiu reverter a cassação e retomar ao cargo por meio de uma decisão judicial, que apontou que a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara extrapolou o prazo de 90 dias para concluir o processo de cassação da vereadora, o que levou à nulidade do processo.

Fonte: Isso É Notícia

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS