REDES SOCIAIS

17°C

Cresce o movimento na Câmara para derrubar a prisão de Chiquinho Brazão

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nas últimas horas, cresceu na Câmara dos Deputados um movimento para derrubar a prisão preventiva do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ).

Brazão foi preso no dia 24 de março, suspeito de ter mandado matar a vereadora Marielle Franco, em 2018. Também foi preso como mandante o irmão dele, Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou as medidas, justificou que a prisão preventiva é necessária para garantir a ordem pública, o bom andamento das investigações e evitar a destruição de provas.

Segundo a Constituição, a prisão de um parlamentar precisa ser confirmada pelo plenário da Casa correspondente, ou seja, da Câmara. A votação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara começou no dia 26 de março, mas foi interrompida por um pedido de parlamentares para ter mais tempo para analisar o caso.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O principal argumento de lideranças ouvidas pelo blog é de que a manutenção da prisão enfraquece prerrogativas dos parlamentares. Deputados de centro e de direita articulam um acordo nesse sentido. A expectativa é que a manutenção ou derrubada da prisão seja votada na CCJ ainda nesta quarta-feira (10) e, logo na sequência, no plenário da Câmara.

A estratégia é que muitos deputados se ausentem para evitar o desgaste. Para manutenção da prisão preventiva são necessários 257 votos. Com isso, se poucos forem ao plenário (garantindo pelo menos o quórum mínimo), dificilmente se alcançará o número necessário para Brazão continuar preso.

Deputados alegam que o assassinato de Marielle aconteceu há 6 anos e, portanto, não há crime em flagrante para justificar uma prisão preventiva. A investigação da Polícia Federal, contudo, apontou que os irmãos Chiquinho Brazão e Domingos Brazão agiram para obstruir os trabalhos da Justiça.

O movimento de autoproteção na Câmara ganhou força nestas duas semanas em que o caso ficou pendente na CCJ.

Há incômodo de deputados também com o fato de os irmãos terem sido fotografados algemados enquanto desciam do avião da PF, enquanto o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, foi visto sem algemas.

“Ou a gente mantém as prerrogativas da Câmara e solta Chiquinho Brazão, ou no futuro todos estaremos vulneráveis”, disse ao blog um líder que está participando das negociações.

A base governista tem articulado para manter a prisão do deputado Chiquinho Brazão.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS