REDES SOCIAIS

28°C

Decisão que soltou Marcelo Câmara diz que ex-assessor de Bolsonaro foi ‘responsável por núcleo de inteligência paralela’

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O coronel do Exército Marcelo Câmara, ex-assessor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que teve liberdade decretada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes nesta quinta-feira (17), deve cumprir uma série de medidas cautelares para continuar com o benefício.

O blog teve acesso à decisão de Moraes que impõe o uso de tornozeleira eletrônica para a liberdade condicional.

No documento, o ministro diz que as provas colhidas pela Polícia Federal indicam que Câmara “atuou de forma relevante no núcleo de inteligência da organização criminosa investigada” e que o ex-assessor de Bolsonaro tinha “significativa proximidade ao ex-presidente, assumindo posição de relevo na dinâmica golpista, por atuar como responsável pelo núcleo de inteligência paralela que operava na coleta de informações sensíveis e estratégicas para auxílio na tomada de decisões do então presidente“.

Moraes, no entanto, concorda com o entendimento da Procuradoria-Geral da República de que a prisão de Câmara se mostrava adequada naquele momento, mas que poderia ser revista.

“A eficiente atuação da Polícia Federal desarticulou o grupo criminoso investigado e reduziu a percepção de risco para a ordem pública”, diz entendimento da PGR citado pelo ministro do STF.

Acatando o argumento, Moraes definiu que a prisão de Câmara poderá ser substituída por outras medidas cautelares. Veja algumas das imposições definidas:

  • proibição de utilização de redes sociais próprias ou por terceira pessoa;
  • proibição de comunicação com os demais investigados;
  • suspensão imediata de documentos de porte de arma de fogo e registros de CAC;
  • proibição de se ausentar da comarca e recolhimento domiciliar no período noturno e finais de semana com o uso de tornozeleira eletrônica;
  • obrigação de apresentar-se à Justiça semanalmente, todas as segundas-feiras;
  • entrega e cancelamento de todos os passaportes;

A notícia da soltura de Câmara foi antecipada pelo blog da Natuza Nery. À colunista do g1,os advogados de defesa de Câmara, Eduardo e Christiano Kuntz, disseram o seguinte: “a defesa comemora o restabelecimento parcial de sua liberdade e aguarda o desenrolar do caso para provar que Marcelo Câmara sequer deveria estar nele”

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

LEIA TAMBÉM:

Trama golpista

Câmara foi preso em 8 de fevereiro por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal (PF), que investiga a tentativa de dar um golpe de Estado durante o governo Bolsonaro e invalidar as eleições de 2022, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Segundo as investigações, Câmara atuava coletando informações que ?pudessem auxiliar a tomada de decisões do então Presidente da República Jair Bolsonaro na consumação do Golpe de Estado?.

O militar do Exército também é suspeito de participar de ?monitoramento do itinerário, deslocamento e localização do Ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e de possíveis outras autoridades da República com objetivo de captura e detenção quando da assinatura do decreto de Golpe de Estado?.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS