REDES SOCIAIS

16°C

Doação de órgãos: CNJ e cartórios lançam sistema eletrônico para candidatos manifestarem interesse e autorizarem processo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luís Roberto Barroso, junto com os cartórios, assinaram nesta terça-feira (2) o lançamento da campanha “Um Só Coração: Seja Vida na Vida de Alguém”.

Essa iniciativa marca também a regulamentação da Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos (Aedo), que é uma forma eletrônica e gratuita de autorizar a doação dos órgãos, tecidos e partes do corpo.

Desenvolvida pelo Colégio Notarial do Brasil ? Conselho Federal (CNB/CF), a Aedo tem o papel de facilitar e desburocratizar a manifestação de vontade de ser um doador de órgãos. Basta preencher um formulário pelo aplicativo de celular ?e-notariado? ou pelo site: https://aedo.org.br/

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A partir do preenchimento do formulário, o tabelião agenda uma videoconferência com a pessoa interessada e confirma a manifestação de vontade de se tornar doadora. Ambos assinam digitalmente a Aedo, que vai para um banco de dados e, imediatamente após o falecimento de um doador, é notificado no sistema que todos os médicos credenciados terão acesso.

No Brasil, o número de transplante de órgãos cresceu no último ano, segundo dados do Ministério da Saúde. Veja abaixo:

Rim

  • 2022 – 5.402
  • 2023 – 6.116 (+13.21%)

Fígado

  • 2022 – 2.162
  • 2023 – 2.397 (+10.87%)

Coração

  • 2022 – 363
  • 2023 – 423 (+16.5%)

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, reforçou a importância de se tornar um doador de órgãos. Segundo ela, o sistema vai ajudar a aumentar o número de pessoas nessa lista.

?Um doador pode doar muitos órgãos, tecidos. Muitas vidas são salvas com a nossa doação individual.?, diz a ministra.

Hoje, 42 mil pessoas aguardam na fila por um transplante no Brasil, 500 delas são crianças. Em 2023, 3 mil pessoas morreram antes de conseguir um doador.

Segundo o ministro Luís Roberto Barroso, além de desburocratizar a doação, o Brasil é o 4º país no número absoluto de transplantes e essa ação pretende fomentar essas doações.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS