REDES SOCIAIS

21°C

Estado Islâmico reivindica atentado que deixou 62 mortos em casa de shows perto de Moscou

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O Estado Islâmico, um grupo terrorista muçulmano, reivindicou o ataque que deixou ao menos 62 pessoas mortas em uma casa de shows perto de Moscou, na Rússia. O grupo assumiu a autoria em um canal do Telegram.

A informação foi divulgada pela agência de notícias Reuters, que também publicou que serviços de inteligência dos Estados Unidos confirmaram que o Estado Islâmico foi responsável pelo ataque.

De acordo com o jornal americano “Washington Post”, autoridades dos EUA tinham recebido informações sobre a presença de um braço do Estado Islâmico na Rússia.

Esse grupo já foi ativo em outros países (Afeganistão, Paquistão e Irã). A embaixada dos EUA em Moscou disse, no dia 7 de março, que terroristas tinham planos para atacar grandes aglomerações de pessoas em Moscou –inclusive shows– e pediu para que os cidadãos americanos na Rússia evitassem esses locais.

Esse foi o pior atentado na Rússia em 20 anos. Homens armados com metralhadoras e vestidos com roupas camufladas abriu fogo nesta sexta-feira (22) contra pessoas que estavam prestes a ver um show da banda de rock Picnic. Pelo menos 62 pessoas morreram, e 145 ficaram feridas.

Em 2015, o Estado Islâmico fez um ataque terrorista simultâneo em diversos pontos da cidade de Paris, na França. Um dos principais locais atingidos foi a casa de shows Bataclan, onde acontecia o show da banda de rock Eagles of Death Metal.

Tiros e explosões

O atentado começou por volta das 20h (14h em Brasília), quando a banda Picnic estava se preparando para tocar na casa de shows Crocus City Hall, em Krasnogorsk, cidade próxima a Moscou. Ao menos cinco homens começaram o ataque no saguão e, depois, invadiram o local, de acordo com a Tass.

Foram ouvidas duas explosões no local, e o local pegou fogo. Os bombeiros conseguiram controlar as chamas, mas, segundo a agência de notícias Tass, o teto do Crocus City Hall pode cair a qualquer momento por causa das explosões e dos tiros.

O Ministério Público abriu uma investigação e afirmou que se trata de um atentado terrorista.

O QUE SE SABE ATÉ AGORA

  • Houve 62 mortos e mais de 145 feridos.
  • Ainda não há informações precisas sobre o número de criminosos. O grupo Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado.
  • Vídeos nas redes sociais mostram pessoas correndo pelos corredores da casa de show em meio aos corpos das vítimas.
  • Foi o pior atentado na Rússia desde a invasão de uma escola em 2004 em Beslan.
  • O show da banda de rock Picnic estava prestes a começar.
  • O local se chama Crocus City Hall, um espaço com shopping, restaurantes e casa de shows em um mesmo espaço.
  • Segundo a Tass, o teto do Crocus City Hall pode cair a qualquer momento por causa das explosões e dos tiros.
  • O governo da Ucrânia afirmou que não tem nenhuma relação com o atentado.
  • O governo brasileiro lamentou o episódio, repudiou o ato de terrorismo e disse que não há notícias de que brasileiros estejam entre as vítimas.

Por volta de 20h em Moscou (14h em Brasília), a banda Picnic estava se preparando para tocar quando aconteceu o atentado. Os criminosos começaram o ataque no lobby da casa e, depois, invadiram o salão, de acordo com a agência oficial de notícias Tass.

A guarda nacional russa afirmou que está em busca dos homens armados no local do ataque.

Esse é o pior atentado na Rússia em 20 anos, de acordo com a agência de notícias Associated Press.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Um vídeo mostra homens atirando, além de gritos e pessoas assustadas (veja acima). A casa de shows tem capacidade para 6.000 pessoas.

LEIA TAMBÉM

As agências de notícias russas também informaram que 50 equipes de ambulâncias foram enviadas ao local. Três helicópteros foram usados para jogar água no local.

O presidente Vladimir Putin está sendo informado sobre o que está acontecendo no local, afirmou o porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov.

Coquetel molotov

“Uma terrível tragédia ocorreu hoje no Crocus City”, disse o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin. “Sinto muito pelos entes queridos das vítimas.” Ele também afirmou que toda a assistência necessária será prestada aos feridos.

Uma pessoa que estava no local afirmou que os homens entraram atirando e, em um momento, jogaram um coquetel molotov no local. Quando a testemunha tentou fugir, descobriu que uma das saídas estava trancada. Ela atravessou o salão para tentar fugir de outro ponto de saída, mas também não conseguiu, e então se refugiou no subsolo da casa de shows até que agentes dos serviços de emergência chegaram.

A prefeitura cancelou todos os eventos com público neste fim de semana e reforçou a segurança nos aeroportos.

O presidente Vladimir Putin ainda não se pronunciou sobre o caso, mas um aliado próximo dele, Dmitry Medvedev, disse que tanto os atiradores como as pessoas por trás do atentado serão perseguidos e mortos: “Todos eles devem ser encontrados e destruídos sem pena, como terroristas. Morte por morte”, afirmou em seu canal no Telegram.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A Rússia invadiu a Ucrânia e começou a guerra faz pouco mais de dois anos. Mykhailo Podolyak, assessor da presidência ucraniana, disse que o país “certamente não tem nada a ver com os tiroteiros e as explosões” perto de Moscou.

Nesta semana, o presidente Vladimir Putin foi reeleito com 87% dos votos em uma votação que não teve candidatos que eram realmente de oposição.

Atentados na Rússia nos anos 2000

No começo dos anos 2000 houve uma série de atentados terroristas na Rússia. Na ocasião, havia uma guerra contra separatistas da província da Chechênia.

Em outubro de 2022, militantes separatistas chechenos dominaram um teatro em Moscou e fizeram cerca de 800 pessoas reféns. Forças russas invadiram o local e atacaram os homens com um gás. No total, 129 reféns e 41 militantes morreram.

Em setembro de 2004, cerca de 30 militantes separatistas tomaram uma escola na cidade de Beslan e fizeram centenas de pessoas reféns. O sequestro terminou com mais de 330 mortos (a maioria era de crianças).

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS