REDES SOCIAIS

25°C

Ex-secretário de Bolsonaro, Salim Mattar é o maior doador da eleição até o momento; veja o ranking

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O empresário Salim Mattar, ex-secretário especial de Desestatização do governo Bolsonaro, é o maior doador de campanhas até o momento, apontam dados preliminares do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), coletados nesta quarta-feira (24). Sozinho, o dono da Localiza doou R$ 2,8 milhões.

No ranking de 2022, aparecem em seguida Heitor Vanderlei Linden, sócio da empresa Calçados Beira Rio; Armínio Fraga, economista e ex-presidente do Banco Central; Alexandre Grendene, empresário da Grendene; e Ricardo Minatto Brandão, da metalúrgica Brametal.

Do total doado por Mattar a 19 candidatos, a maior parte foi para filiados do partido Novo (R$ 2,1 milhões), mas o empresário também destinou verbas para nomes de outros partidos ligados à direita, como o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (PL), que concorre ao cargo de deputado federal em São Paulo. O empresário não doou para Bolsonaro.

Veja mais:

Heitor Vanderlei Linden, por outro lado só fez uma doação: destinou R$ 2 milhões para o candidato a governador do Rio Grande do Sul Roberto Argenta (PSC). Argenta também recebeu toda a verba doada por Grendene (R$ 1,1 milhão).

Armínio Fraga também fez doações para diversos candidatos: 18, no total. O que recebeu mais até o momento (R$ 200 mil) foi Marcelo Freixo, candidato do PSB ao governo do Rio de Janeiro. Os deputados federais Tabata Amaral (PSB-SP) e Felipe Rigoni (União-ES) receberam R$ 100 mil cada, bem como o ex-ministro da Educação Mendonça Filho (União-PE). Os três concorrem a uma vaga na Câmara.

Já o empresário catarinense Minatto Brandão destinou toda a verba para o governador de Santa Catarina, Carlos Moises (Republicanos), que tenta reeleição.

Desde 2015, após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), não é possível que empresas façam doações para candidatos em eleições. Pessoas físicas, no entanto, podem fazer contribuições, desde que o valor destinado seja até 10% de seu rendimento no ano anterior à eleição.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS