REDES SOCIAIS

19°C

Fazenda alerta que, sem MP que corrige distorções de benefícios do ICMS, cenário seria de grave crise

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Ministério da Fazenda prevê que o Brasil pode chegar a uma grave crise fiscal no próximo ano se o Congresso não aprovar a medida provisória que corrige distorções em benefícios fiscais de ICMS dados a empresas.

A MP, já editada pelo governo, garante uma receita extra de R$ 35 bilhões para o governo em 2024 (entenda abaixo o que muda). Além disso, segundo os cálculos da área econômica, evita uma perda de arrecadação de outros R$ 70 bilhões.

Sem esses impactos, de acordo com a Fazenda, não é só a meta de déficit zero nas contas públicas que passa a ficar ameaçada. A incerteza pode atingir também os cofres de estados e municípios e o cumprimento das regras do arcabouço fiscal.

O ministro Fernando Haddad participa de uma reunião nesta quarta-feira (8) com líderes partidários e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para defender a aprovação da medida provisória sobre o tema.

  • A MP 1.185 define regras para as empresas usarem benefícios fiscais já concedidos pelos estados e validados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na arrecadação de ICMS.
  • Esses benefícios, segundo a MP defendida pelo governo, não poderão ser usados para reduzir a base de cálculo dos impostos federais (IRPJ e CSLL) se forem aplicados nas atividades de custeio da empresa.
  • Ou seja: o benefício de ICMS só poderá reduzir a base de cálculo dos impostos federais se o crédito for usado para investimentos ? e se houver comprovação dos requisitos legais.
  • Na prática, ao fazer isso, a medida provisória eleva a base de cálculo dos tributos federais pagos por essas empresa e, com isso, aumenta também o imposto que elas terão que pagar.

Na reunião com líderes, Haddad vai defender que, se a MP não for validada pelo Congresso e “caducar”, a base de cálculo dos impostos federais será reduzida em até R$ 200 bilhões.

Com isso, a perda de receita para os cofres federais pode chegar a R$ 70 bilhões.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O governo conta com esses recursos para atingir a meta inscrita nos projetos da Lei de Diretrizes Orçamentárias e do Orçamento de 2024 de “déficit zero”, ou seja, gastar apenas o que arrecadar.

Para isso, no entanto, é preciso que a MP seja validada e convertida em lei ainda este ano. Assim, as regras podem entrar em vigor em 1º de janeiro de 2024, sem surpreender empresas e respeitando o princípio da anualidade.

No Ministério da Fazenda, a MP já vem sendo chamada de “nova PEC da Transição” ? em referência ao projeto que, aprovado no fim do ano passado, viabilizou o início do terceiro governo Lula.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Impacto em estados e municípios

Haddad tem insistido que o governo não vai acabar com as subvenções, e sim, com brechas criadas em 2017 que teriam causado uma enorme distorção e um erro grave.

Essa distorção afeta União e também estados e municípios. Ao reduzir a arrecadação federal, diminui também a transferências de parte de impostos federais para governadores e prefeitos.

Dados apurados pela Receita apontam que, em 2017, o prejuízo da União estava limitado a R$ 10 bilhões, fruto de uma diminuição da base de cálculo na casa de R$ 30 bilhões. O problema foi a progressão da erosão da base de cálculo, com os Estados concedendo cada vez mais subvenções, que reduzem a base de cálculo de impostos federais.

Em 2018, ano seguinte à aprovação da lei complementar, a redução da base foi de R$ 57 bilhões, valor que pulou para R$ 150 bilhões em 2022, o que significou um prejuízo efetivo de R$ 50 bilhões para a União.

Para 2023, a projeção da equipe econômica é de que a redução da base de cálculo chegue a R$ 200 bilhões, o que representaria uma perda de arrecadação da ordem de R$ 70 bilhões.

Esse dinheiro não faz falta só no caixa do governo federal, mas também de Estados e municípios, que receberiam quase metade do montante via fundos de compensação.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS