REDES SOCIAIS

29°C

Governo avalia criar disque denúncia e protocolo para combater violência nas escolas, diz ministro

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou nesta quinta-feira (6) que o governo estuda criar um disque enúncia específico para receber queixas de violência nas escolas. Segundo o ministro, o canal pode funcionar como o Disque 180, serviço de denúncias de agressão a mulheres.

Camilo Santana deu a declaração após participar de uma reunião em Brasília do grupo interministerial criado pelo governo para discutir o tema. Estiveram no encontro, por exemplo, os ministros Márcio Macêdo (Secretaria-Geral) e Nísia Trindade (Saúde), além do secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Capelli.

O grupo foi criado após os recentes casos de massacre em escolas em São Paulo (SP) e em Blumenau (SC).

“Terão ações mais urgentes, terão ações a médio prazo e ações a longo prazo. Por exemplo, estávamos discutindo a possibilidade de se ter um disque-denúncia específico para a questão da violência nas escolas”, afirmou o ministro.

“Temos hoje o Disque 100, que é denúncia de violação de direitos humanos, temos o Disque 180, que é violação de direitos das mulheres, então, [a ideia] é criar um canal direto, específico. É importante as pessoas se anteciparem, sentirem episódios suspeitos. […] Então, é um dos pontos que queremos ver a viabilidade, o mais rápido possível, de criar um canal de disque-denúncia de violência nas escolas, para termos esse canal mais rápido”, completou.

Na mesma entrevista, Camilo Santana explicou que o governo federal fará reuniões semanais para discutir o combate à violência nas escolas e apresentará uma proposta no prazo de 90 dias.

“A reunião hoje foi, primeiro, para definir as equipes de cada ministério que irão estar à frente [do grupo]. Nós faremos reuniões semanais, as equipes técnicas, e a gente definiu os responsáveis em cada ministério para estar à frente dessa discussão”, declarou.

“Temos 90 dias para apresentar relatório final com a proposta para a política nacional de enfrentamento à violência nas escolas”, acrescentou o ministro.

Segundo Camilo Santana, os ministros envolvidos nas discussões se reunirão uma vez por mês.

“E vamos definir um conjunto de entidades e especialistas que vamos convidar a participar desse processo. Por exemplo, a nível do Ministério da Educação, vamos encomendar um mapeamento sobre violência nas escolas”, declarou.

“Também vamos ouvir professores, ouvir secretários de Educação e ouvir entidades na área de educação, na área de segurança e na área de direitos humanos” completou.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS