REDES SOCIAIS

34°C

Mauro Vieira vai à Comissão de Relações Exteriores do Senado nesta quinta para falar sobre declarações de Lula sobre Gaza

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, participa nesta quinta-feira (14) de uma audiência pública na Comissão de Relações Exteriores do Senado, para comentar a crise diplomática entre Brasil e Israel, depois da fala do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre o conflito na Faixa de Gaza.

Lula comparou a guerra entre Israel e Hamas ao Holocausto promovido por Adolf Hitler contra milhões de judeus. A declaração motivou protestos do governo israelense e de representantes da comunidade judaica no Brasil.

A ida do chanceler foi negociada pelo presidente do colegiado, senador Renan Calheiros (MDB-AL) ainda em fevereiro. Renan fez, então, o convite ao ministro.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

De acordo com um aliado do governo Lula, o movimento foi lido como uma antecipação diante da intenção da oposição de fazer a convocação a Vieira.

  • Convocação é um ato político mais grave e, quando ocorre, o ministro é obrigado a comparecer à comissão.

Caso contrário, pode incorrer em crime de responsabilidade. O convite é, portanto, um caminho mais tranquilo, já que a presença não é obrigatória com ele.

Segundo diplomatas do entorno do chanceler, a expectativa é que, na comissão do Senado, Mauro Vieira reitere a postura do governo brasileiro contrária aos ataques de Israel no território.

Apesar da confiança na postura de seu ministro, o Palácio do Planalto enxerga com preocupação uma possível escalada de tensão durante a audiência, no Senado.

O Planalto sabe que a oposição pode aproveitar a presença de Vieira para inflamar um assunto delicado, que mexe com a opinião pública, num momento em que o presidente Lula busca melhorar sua avaliação.

Logo após a declaração de Lula sobre Gaza, o governo atingiu a sua pior avaliação, na primeira rodada de 2024 da pesquisa Genial/Quaest.

A aprovação do trabalho de Lula foi dos 54% de dezembro, para 51% nesta rodada. E a desaprovação avançou de 43% para 46%. E o ponto de maior preocupação para o governo veio justamente com a pesquisa focada no público evangélico.

Sessenta e dois por cento dos entrevistados do grupo declararam desaprovar o governo. Somente 35% deste grupo declarou aprovar o trabalho de Lula.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS