REDES SOCIAIS

34°C

Suíça e Noruega têm os melhores Índices de Desenvolvimento Humano do mundo; Somália e Sudão do Sul, os piores: veja ranking

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nesta quarta-feira (13) o ranking de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países do mundo. Os dados são referentes ao ano de 2022. Veja a lista dos dez melhores e dos dez piores países.

O Brasil obteve um IDH de 0,760 em 2022 e caiu duas posições no ranking, ocupando a posição 89 da lista, que tem 193 países.

O IDH mede dados como os de expectativa de vida, renda e escolaridade da população a partir de um índice que vai de 0 a 1 ? quanto mais perto de 1, melhor.

Dez melhores países

Dez piores países

  • Somália (193º) – 0,380
  • Sudão do Sul (192º) – 0,381
  • República Centro-Africana (191º) – 0,387
  • Níger (190º) – 0,394
  • Chade (189º) – 0,394
  • Mali (188º) – 0,410
  • Burundi (187º) – 0,420
  • Iêmen (186º) – 0,424
  • Burquina Faso (9º) – 0,438
  • Serra Leoa (10º) – 0,458

No mundo inteiro, o IDH avançou, mas de forma de desigual, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que elabora o ranking anual. A partir dos dados dos 193 países — todos referentes a 2022 — o PNUD diz ter observado que a recuperação dos anos da pandemia tem sido um processo “parcial, incompleto e desigual”:

  • Por um lado, países ricos alcançaram índices recorde e mostraram que já se recuperaram das perdas geradas nos anos da pandemia de Covid-19;
  • Por outro, metade das nações mais pobres regrediu e caiu de posição no ranking.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Brasil

O Brasil caiu duas posições no ranking do IDH e passou a ocupar a posição 89 da lista, que tem 193 países. Os dados coletados para a elaboração do ranking divulgado nesta quarta (13) são de 2022, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

O Brasil obteve um IDH de 0,760 em 2022. O índice é semelhante ao que o país tinha antes da pandemia, quando ocupava a posição de número 84, e está um pouco acima da média mundial, de 0,739.

Apesar do desempenho estagnado há uma década no ranking, país permanece no grupo de nações com alto índice de desenvolvimento humano.

Entre os entraves para o desempenho brasileiro, segundo a ONU, está a dificuldade em dar continuidade para políticas públicas.

Isso prejudica, por exemplo, o desempenho na educação. Neste caso, o tempo médio de permanência na escola subiu muito pouco entre 2021 e 2022, chegando a 8,2 anos de estudo.

O tempo mínimo de estudo só na educação básica são 12 anos ? do início da alfabetização até a conclusão do Ensino Médio.

Na América do Sul, o Brasil está atrás do Chile (44º lugar), Argentina (48º) e Uruguai (52º).

Mundo

Além do crescimento de desigualdades, o mundo vive também um momento de grande polarização e de divisão geopolítica sem precedentes, ainda de acordo como relatório do IDH elaborado pelo PNUD.

Segundo o PNUD, mais da metade dos países menos desenvolvidos não se recuperou do impacto da pandemia, a maioria deles no continente africano.

Há ainda “um grupo extremo” de países como o Sudão, o Afeganistão e Mianmar, onde, segundo o PNUD, “a combinação da pandemia, crises fiscais e conflitos, às vezes guerras civis, os levou a uma situação na qual a recuperação nem sequer está na agenda“, disse à agência de notícias AFP o coordenador da PNUD, Achim Steiner.

O Afeganistão, por exemplo, perdeu dez anos em termos de desenvolvimento humano e, na Ucrânia, o índice está no nível mais baixo desde 2004.

“Vivemos num mundo mais rico do que em qualquer outro momento da história da humanidade, pelo menos em termos financeiros (?). Mas há mais pessoas famintas, mais pessoas pobres do que há dez anos. Há cada vez mais guerras em todo o mundo, com dezenas de milhões de refugiados”, disse Steiner à AFP.

“É um mundo mais arriscado, que se volta contra si mesmo”, acrescentou o coordenador da PNUD.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS