REDES SOCIAIS

19°C

Ministra dos Povos Indígenas pede combate a ‘racismo e xenofobia’ contra brasileiros em Portugal após país falar em reparação histórica

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, disse nesta quinta-feira (25) que a declaração do presidente de Portugal – que admitiu que o país foi responsável por uma série de crimes contra escravos e indígenas no Brasil deve vir acompanhada de medidas reparatórias que impactem de maneira palpável a população negra e indígena.

“É preciso também que sejam implementadas políticas sérias contra racismo e xenofobia que muitos brasileiros ainda sofrem em terras portuguesas”, afirmou Guajajara.

A ministra disse também que o reconhecimento da responsabilidade e a disposição para promover reparação pelos danos trazem ao debate público internacional “de forma inédita a relevância inadiável de avançar numa agenda por igualdade étnico racial”.

Na noite de terça-feira (23), Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal, e afirmou que seu país “assume total responsabilidade pelos danos causados” ao Brasil, como massacres a indígenas, a escravidão de milhões de africanos e bens saqueados.

“Temos que pagar os custos [pela escravidão]. Há ações que não foram punidas e os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não foram devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso”, declarou Rebelo.

“Reparação é premissa para a cidadania”, disse a ministra dos Povos Indígenas.

Foi primeira vez que um presidente de Portugal — que é o chefe de Estado no país — reconhece a culpa. No ano passado, Rebelo de Sousa disse que Portugal deveria se desculpar pela escravidão transatlântica e pelo colonialismo, mas não chegou a pedir desculpas completas.

Guajajara, assim como a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, lembrou que o reconhecimento dos crimes cometidos por Portugal é uma demanda antiga dos movimentos indígenas e negros do Brasil.

“Nosso governo está aberto ao diálogo e a contribuição na construção das ações, medidas e planos de valorização e reparação que possam ser executados por Portugal”, afirmou Guajajara.

Portugal foi o país que mais traficou africanos na era colonial. Foram quase 6 milhões deles, quase a metade do total de pessoas escravizadas à época pelos países europeus.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS