REDES SOCIAIS

34°C

Ministro da Justiça autoriza uso da Força Nacional em busca por fugitivos de Mossoró

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, autorizou nesta segunda-feira (19) o uso da Força Nacional para ajudar na busca pelos fugitivos da penitenciária federal de Mossoró.

Segundo o Ministério da Justiça, serão enviados 100 homens e 20 viaturas para a região. O reforço nas buscas foi pedido pelo diretor-geral da Polícia Federal (PF), Andrei Passos, e acordado com a governadora do Rio Grande da Norte, Fátima Bezerra.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Ainda segundo a pasta, há hoje cerca de 500 homens atuando na busca dos dois homens que fugiram da penitenciária na última quarta-feira (14). São agentes da PF, da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e das forças locais.

Sem prazo para captura

Em visita no domingo (18) a Mossoró, Lewandowski afirmou que não há prazo para captura dos presos e que “possíveis falhas do presídio já estão sendo corrigidas para garantir a segurança máxima do local”.

“O terreno é complexo, coberto por mata, em uma zona rural e com uma área extensa. Além de ter rodovias, existem vias e pequenas estradas. O local tem casas esparsas. É um trabalho de busca complexo”, disse o ministro em entrevista coletiva.

Sobre a possibilidade de que tenha havido conivência na fuga de Rogério Mendonça e Deibson Nascimento, o ministro disse apenas que “todas as hipóteses estão sendo investigadas e virão a público no momento apropriado”.

A fuga

Rogério Mendonça e Deibson Nascimento fugiram da Penitenciária Federal de Mossoró na Quarta-Feira de Cinzas. Foi a primeira fuga registrada na história do sistema penitenciário federal, que inclui ainda penitenciárias em Brasília (DF), Catanduvas (PR), Campo Grande (MS) e Porto Velho (RO).

Os dois presos, originalmente do Acre, estavam na peniteciária de Mossoró desde setembro de 2023. Ligados ao Comando Vermelho, eles foram transferidos após se envolverem em uma rebelião no presídio Antônio Amaro, em Rio Branco (AC), em julho do ano passado. A rebelião deixou cinco mortos.

Leia também:

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS