REDES SOCIAIS

28°C

Ministros do STF apontam associação de fraude do cartão de vacinação à dinâmica da tentativa de golpe de estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Ministros do Supremo Tribunal Federal ouvidos pelo blog ressaltam a relação entre a cronologia da fraude do cartão de vacina da Covid em favor de Jair Bolsonaro (PL) e a tentativa de golpe de Estado para mantê-lo no poder.

Segundo informações da Polícia Federal, o registro falso de vacinação de Bolsonaro contra a Covid foi inserido nos registros oficiais do governo brasileiro em 21 de dezembro de 2022. Em 30 de dezembro, na véspera do fim do mandato, o então presidente embarcou para o exterior.

De acordo com ministros do STF, à época da inclusão falsa, já estava claro que as Forças Armadas ? possivelmente diante da falta de apoio externo ? não autorizariam um golpe de Estado. A mensagem em que o general Braga Netto, que havia sido candidato a vice de Bolsonaro, chama o comandante do Exército, Freire Gomes, de “cagão” por não ter aderido ao golpe foi enviada em 14 de dezembro.

Por isso, o grupo do ex-presidente ”resolveu ir embora” e, por medo de ser barrado ou fiscalizados por não ter cartão de vacina, houve a fraude.

“A data é sintomática”, diz um ministro do STF.

Como o blog revelou, a PF afirma na investigação sobre o golpe de Estado que ”alguns investigados se evadiram do país, retirando praticamente todos seus recursos aplicados em instituições financeiras, transferindo-os para os EUA, para se resguardarem de eventual persecução penal”.

No caso de Bolsonaro, diz a PF, foi feita uma operação de câmbio no dia 27 de dezembro no valor de R$ 800 mil para um banco com sede nos EUA onde o ex-presidente possui conta.

Entre investigadores da PF, a conclusão é a mesma: tudo está interligado, inclusive, a investigação sobre a tentativa, ocorrida também em dezembro de 2022, de resgatar joias milionárias que haviam sido dadas de presente por autoridades sauditas a uma comitiva do governo brasileiro.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS