REDES SOCIAIS

26°C

Número de trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão é o maior dos últimos 14 anos, diz governo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Um total de 3.190 trabalhadores foi resgatado de condições análogas à escravidão no Brasil em 2023, divulgou o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) nesta quarta-feira (10). Segundo o órgão, o número de resgates é o maior dos últimos 14 anos.

Ao longo de 2023, foram fiscalizados 598 estabelecimentos urbanos e rurais. De acordo com o MTE, além dos resgates, essas ações possibilitaram o pagamento de mais de R$ 12,8 milhões em verbas salariais e rescisórias aos trabalhadores resgatados.

Em 2022, foram 2.587 trabalhadores resgatados pela fiscalização, em 531 ações realizadas, com pagamento de R$ 10.451.795,38 em indenizações trabalhistas.

O maior número de ações e resgates em 2023 foi realizado na região Sudeste, seguida do Centro-Oeste e Nordeste.

Já entre os estados; Goiás, Minas Gerais e São Paulo foram os que tiveram mais trabalhadores resgatados.

O Código Penal define como trabalho análogo à escravidão aquele que é “caracterizado pela submissão de alguém a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou seu preposto”.

Na sexta-feira (5), o Ministério do Trabalho já havia divulgado um balanço dos resgates de trabalhadores até o dia 21 de dezembro de 2023. Os dados já mostravam que o número era o maior dos últimos 14 anos.

Recorde de denúncias

Um levantamento do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania obtido pela GloboNews também aponta que 2023 teve o maior número de denúncias de trabalho escravo e análogo à escravidão no Brasil.

Segundo a pasta, foram 3.422 denúncias protocoladas em 12 meses ? 61% a mais que em 2022, e o maior número desde que o Disque 100 foi criado, em 2011.

Denúncias desse tipo corresponderam a 19% do total de violações de direitos humanos informadas ao serviço. Ou seja: a cada cinco denúncias protocoladas em 2023, uma era de trabalho análogo à escravidão.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS