REDES SOCIAIS

28°C

Qual importância estratégica de Isfahan, cidade iraniana alvo do ataque atribuído a Israel

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Famosa pelos seus palácios, mesquitas e minaretes de azulejos, Isfahan, onde se ouviram explosões durante a madrugada de sexta-feira (19/4), é também um importante centro da indústria militar iraniana.

A terceira maior cidade do Irã, apelidada de “Nesf-e-Jahaan” ou meio do mundo, está localizada no centro do país, perto das montanhas Zagros.

A cidade e a região ao seu redor são um centro de fabricação de drones e mísseis balísticos.

Relativamente perto, está localizada a usina nuclear de Natanz, o ponto mais importante do programa de enriquecimento nuclear do país.

LEIA TAMBÉM:

Provavelmente foi isso que a fez virar alvo de Israel. Israel não confirmou a sua responsabilidade pelo ataque, mas seu governo anunciou há poucos dias que responderia ao lançamento de centenas de mísseis e drones iranianos contra o seu território no último fim de semana.

Esse ataque massivo, que não causou grandes danos, foi a resposta do Irã à ofensiva ao seu consulado em Damasco, no qual vários dos seus generais foram mortos e pelo qual Teerã culpou os israelenses.

O nome de Isfahan está intimamente ligado às instalações nucleares do Irã, por isso a mensagem do ataque desta sexta-feira não passará despercebida por seus líderes.

Se foi realmente um ataque israelense, parece que o governo de Benjamin Netanyahu tentou deixar claro ao Irã que tem capacidade para atacar esses alvos sensíveis, mesmo que até agora tenha se abstido de fazê-lo efetivamente.

As autoridades iranianas anunciaram rapidamente que as instalações nucleares na província de Isfahan eram ?completamente seguras?. O Irã, que não possui armas nucleares, nega que esteja tentando usar o seu programa nuclear civil para fabricá-las.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Informações contraditórias

No entanto, há relatos conflitantes sobre o que aconteceu na madrugada de sexta-feira. O porta-voz do Centro Nacional do Ciberespaço do Irã, Hossein Dalirian, disse que “vários” drones foram “abatidos com sucesso” e rejeitou relatos de que um ataque com mísseis teria ocorrido.

Alguns meios de comunicação iranianos relataram três explosões perto do aeroporto de Isfahan e de uma base aérea.

O comandante-chefe do exército iraniano, Abdolrahim Mousavi, atribuiu as explosões de sexta-feira ao ?disparo de sistemas de defesa aérea contra um objeto suspeito?.

A imprensa e as autoridades iranianas disseram que o incidente envolveu três drones lançados por ?infiltrados?.

A Força Aérea Iraniana tem uma base no aeroporto de Isfahan, que abriga alguns de seus caças F-14 mais antigos.

O Irã adquiriu este caça de fabricação americana pela primeira vez na década de 1970, quando o Xá reinou e manteve boas relações com Washington. E tem conseguido manter a sua frota operacional desde então. É o único país do mundo que mantém dispositivos operacionais que ficaram famosos pelo filme Top Gun ? Ases Indomáveis, de 1986.

Isfahan foi alvo de ataques anteriores pelos quais Israel foi responsabilizado. Em Janeiro de 2023, o Irã culpou Israel por um ataque de drone a uma fábrica de munições no centro da cidade. O ataque teria sido realizado usando quadricópteros, que são pequenos drones com quatro hélices.

‘Muito significativo’

Hamish de Bretton-Gordon, um especialista em armas químicas que foi chefe das forças nucleares do Reino Unido e da Otan, disse à BBC que atacar Isfahan é ?muito significativo? devido ao número de bases militares na região e nos seus arredores.

Ele acrescentou que o alegado ataque com mísseis ocorreu ?muito perto de onde pensamos que o Irã esteja tentando desenvolver armas nucleares, então talvez seja uma referência a isso?.

Para o especialista, o ataque israelense foi ?em grande parte uma demonstração de força e talvez de intenção?. Ele disse que a maioria dos mais de 300 drones e mísseis que o Irã disparou contra Israel no fim de semana passado foram interceptados, enquanto Israel disparou ?um, talvez dois? mísseis contra um alvo e teria causado ?danos?.

Ele sublinhou que as autoridades iranianas estão minimizando a importância do ataque porque não querem divulgar o sucesso de Israel na penetração nos “desatualizados” sistemas de defesa antiaérea do Irã.

?Israel ultrapassa de longe o Irã em termos militares e esta é uma demonstração disso?, disse ele.

?O Irã preferiria lutar nas sombras, usando os seus grupos terroristas e aliados, em vez de confrontar Israel diretamente de uma forma convencional, onde sabe que sofreria um verdadeiro golpe?, disse o especialista.

A impressão dele é o que os comentários vindos de Moscou parecem confirmar. “A Rússia, que tem uma cooperação militar cada vez mais estreita com o Irã, comunicou a Israel que o Irã ‘não quer uma escalada'”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, na sexta-feira.

“Houve contatos telefônicos entre a liderança russa e a iraniana, nossos representantes e os israelenses. “Deixamos isso muito claro nessas conversas. Dissemos aos israelenses que o Irã não quer uma escalada”, disse Lavrov à rádio russa.

De Bretton-Gordon disse que o Irã ?restaurou ligeiramente seu orgulho? depois de atacar Israel no fim de semana passado e provavelmente quer deixar as coisas como estão por enquanto.

“Ele sabe que Israel está absolutamente determinado e parece ter o apoio dos Estados Unidos e de outros países. O Irã realmente não pode contar com muita ajuda, talvez um pouco da Rússia, que está muito interessada em manter o foco no Oriente Médio e não na Ucrânia. Mas, fora isso, está um pouco isolado”, disse ele.

?A última coisa que querem é que algumas das suas principais instalações sejam atacadas?, concluiu o especialista.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS