REDES SOCIAIS

17°C

Tragédia no RS: governo vai auxiliar também pessoas físicas, além do estado e setor privado

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai socorrer não só o estado e o setor privado, mas também as pessoas físicas atingidas pela tragédia climática no Rio Grande do Sul, para reconstruírem suas casas e comprarem móveis e utensílios domésticos.

“Vamos socorrer também as pessoas, não só o estado e as empresas, mas também e principalmente as pessoas, os que tiveram suas casas destruídas e perderam tudo”, disse o ministro da Casa Civil, Rui Costa.

O socorro virá por meio de linhas de crédito com taxa de juros baixas, garantidas com subsídios do governo federal. O presidente Lula orientou sua equipe a dar uma atenção especial às famílias, que vão enfrentar a tragédia em duas etapas.

A primeira é a atual, de viverem em abrigos até as águas baixarem. Depois, vem a segunda, tão complicada e difícil como a primeira, de volta para suas casas destruídas, que precisam ser reconstruídas e novamente mobiliadas.

O anúncio das medidas de socorro às empresas e famílias pode ser feito nesta quinta-feira (9), juntamente com a suspensão do pagamento da dívida estadual. As medidas devem ser discutidas com o presidente Lula, que dará a palavra final sobre o formato da ajuda.

No caso da dívida estadual, o Ministério da Fazenda propõe a suspensão do pagamento da dívida do Rio Grande do Sul até o fim da calamidade pública e com um modelo válido para todo estado que passar por um evento climático extremo, com redução das taxas de juros e os recursos economizados sendo investidos em obras de prevenção de danos provocados pelo clima.

Em relação à medida provisória com o valor inicial do socorro financeiro ao Estado, o montante ainda não foi fechado e ela deve ser editada na próxima semana, depois de uma avaliação preliminar sobre os custos da recuperação do Rio Grande do Sul.

O primeiro valor poderá ser complementado caso ele se mostre insuficiente para bancar todas as despesa da reconstrução do Estado nas regiões atingidas pelas chuvas.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS