REDES SOCIAIS

21°C

TSE vai ‘coibir violência como arma política e enfrentar desinformação como prática do caos’, diz Fachin

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, afirmou nesta terça-feira (26) que a Justiça Eleitoral não vai tolerar a violência como arma política nas eleições ? e vai agir para combatê-la.

Fachin disse ainda que a violência eleitoral é uma espécie de violência política e que também é preciso coibir a “desinformação como prática do caos”. As declarações foram dadas em reunião com juristas no início da tarde.

?Não toleraremos violência eleitoral, subtipo da violência política. A Justiça Eleitoral não medirá esforços para agir, a fim de coibir a violência como arma política e enfrentar a desinformação como prática do caos?, afirmou.

O ministro disse ainda que ?o TSE não está só, porquanto a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral?.

Segundo Fachin, ?o ataque às urnas eletrônicas como pretexto para se brandir cólera não induzirá o país a erro. Há 90 anos, criamos a Justiça Eleitoral para que ela conduzisse eleições íntegras e o Brasil confia na sua Justiça?.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O presidente do TSE reafirmou que a Corte terá atuação rigorosa. ?Amarrada à Constituição e à institucionalidade, qual ‘Ulisses’ de Homero, a Justiça Eleitoral não se fascina pelo canto das sereias do autoritarismo, não se abala às ameaças e intimidações?.

O ministro reforçou que o TSE prepara ?eleições pacíficas? e citou que ?a agressão às urnas eletrônicas é um ataque ao voto dos mais pobres?.

Ele disse ainda que o ?quadro normativo para as eleições está estabilizado no prazo da lei. As instituições devem cumprir suas missões constitucionais?.

?O calendário eleitoral está em dia. A regra está dada. O TSE não se omitirá. A Justiça Eleitoral de todo o país não cruzará os braços?, declarou.

Grupo contra violência

Na semana passada, o TSE criou um grupo de trabalho para combater a violência política nas eleições deste ano. O tribunal argumentou que tomou a medida após verificar relatos de agressão a cidadãos por motivação política e atentados contra a liberdade de imprensa.

O TSE citou a morte do tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu, Marcelo Arruda, assassinado a tiros por um militante bolsonarista. Também motivaram a criação do grupo, segundo o TSE, denúncias feitas pela Câmara e Senado sobre ataques a autoridades, à liberdade de imprensa e às urnas eletrônicas.


window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS