REDES SOCIAIS

28°C

Um mês de guerra: sensação é de frustração e paralisia diplomática

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A avaliação de integrantes do governo Lula e da equipe de diplomatas que atua diretamente nas negociações conduzidas pelo Brasil à frente do Conselho de Segurança da ONU é a de que o primeiro mês da guerra na Faixa de Gaza acabou fragilizando todos os atores diretamente envolvidos no conflito, inclusive a própria ONU.

“A sensação é de frustração e paralisia diplomática”, diz uma fonte que atua na linha de frente dos diálogos. A incapacidade do Conselho de Segurança da ONU de aprovar uma resolução sobre o confronto, por exemplo, ficou explícita, além da sobreposição de interesses locais de superpotencias como Estados Unidos, China e Rússia a dramas humanitários.

Quem contabiliza perdas de credibilidade no cenário internacional anota também os danos à já avariada reputação de Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel.

No pré-guerra, Netanyahu era alvo de frequentes e volumosos protestos contra sua ofensiva sobre o poder judiciário de Israel. O conflito, num primeiro momento, travou as mobilizações.

Mas a agressividade da resposta israelense ao ataque terrorista promovido pelo Hamas colocou o primeiro-ministro de volta à vidraça, não só entre a comunidade internacional, mas internamente.

Moradores de Israrel, no fim de outubro, voltaram à ruas, desta vez para pedir um cessar-fogo.

Do lado dos palestinos, a ação brutal do grupo terrorista Hamas acabou fragilizando a atuação da Autoridade Palestina, que vinha se firmando como interlocutor moderado e confiável no cenário internacional.

Para completar o cenário de desalento, os brasileiros não veem nem um sinal de fim da guerra, nem um horizonte de como seria o “dia seguinte” desse evento.

Diante disso, a prioridade zero é tirar o grupo de 34 brasileiros de Gaza o mais rápido possível.

Para isso, o governo Lula lançou no último fim de semana uma ofensiva diplomática, inclusive sobre aliados poderosos de Israel, como os Estados Unidos.

Numa conversa com seu contraparte americano, o ex-chanceler Celso Amorim explicitou a ansiedade do Brasil e a deterioração do cenário.

Ele asseverou aos EUA que, na América Latina, o Brasil é quem “está segurando a onda” da reprovação a Israel –alguns países, como o Chile, retiraram embaixadores do solo israelense.

A ideia é puxar os americanos, que já tiraram centenas dos seus de Gaza, para os esforços de retirada dos 34 brasileiros que estão em Gaza.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS