REDES SOCIAIS

26°C

Barroso: país terá de lidar com ‘deep fake’ nas eleições, e solução passa pela credibilidade da imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou em entrevista à GloboNews nesta quarta-feira (21) que o Brasil e o mundo ainda não têm ferramentas capazes de frear o impacto da inteligência artificial na disseminação de informações falsas.

Segundo Barroso, o Brasil terá de “lidar”, nas eleições municipais deste ano, com fenômenos como o “deep fake” ? quando áudios e vídeos são adulterados para atribuir situações e declarações falsas a pessoas.

A solução para o público, ainda de acordo com Barroso, passa pela credibilidade da imprensa ao filtrar esse conteúdo e divulgar informação de qualidade.

“A notícia ruim é: não há como, neste momento, conter o uso do deep fake. […] A ideia que se tinha era tecnologicamente você ser capaz de identificar o que era produto de inteligência artificial. Ter uma marca d’água. Mas não se consegue, a tecnologia ainda não consegue. Então, nós vamos lidar com o deep fake nas eleições”, declarou Barroso.

“Nós somos ensinados nessa vida a acreditar naquilo que vemos e ouvimos. O dia que você não puder mais acreditar no que vê e ouve, a liberdade de expressão terá perdido o sentido”, prosseguiu.

“Qual é a notícia boa? Acho que a imprensa vai ter que reocupar boa parte do espaço que perdeu para as plataformas digitais e para as mídias sociais. Porque a imprensa, plural como seja, passa uma credibilidade que as redes sociais não têm, porque a imprensa tem editoração, filtro sobre aquilo que vai ao ar. E é muito mais fácil responsabilizar um órgão de imprensa do que responsabilizar alguém na rede social”, disse o presidente do STF à GloboNews.

“Esse avanço da inteligência artificial e do deep fake vai exigir uma reocupação de espaço pela imprensa tradicional, profissional. Porque ali você vai ter informação que você possa acreditar”, prosseguiu.

LEIA TAMBÉM:

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Segundo Barroso, o avanço da inteligência artificial pode levar as sociedades a revisarem a relação com as redes sociais ? que, em anos recentes, passaram a disputar a atenção do público com a mídia convencional.

“O que aconteceu no mundo das redes sociais é que as pessoas inventam as suas narrativas próprias. É preciso fazer que mentir volte a ser errado de novo, e acho que a imprensa vai reocupar parte desse espaço. Vai ser o único lugar em que você vai ter informação de credibilidade, ainda que plural”, disse.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS