REDES SOCIAIS

28°C

Convocado por Lula, embaixador em Israel deve chegar nesta quarta ao Brasil; encarregado fica no lugar

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Ministério das Relações Exteriores informou que o embaixador brasileiro em Israel, Frederico Meyer, deve chegar nesta quarta-feira (21) ao Brasil.

Com isso, o diplomata Fábio Moreira Farias passará a ser o encarregado de negócios do país em Tel Aviv ? o que, na prática, o colocará na chefia interina da representação.

Frederico Meyer foi chamado para consultas pelo presidente Lula. A medida é excepcional e, na linguagem diplomática, representa uma forma de o Brasil demonstrar insatisfação a Israel.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

A crise entre Brasil e Israel começou no domingo (18), quando Lula comparou a situação na Faixa de Gaza ao Holocausto. Ainda no domingo, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que o brasileiro havia cruzado a ?linha vermelha?.

Um dia depois, na segunda (19), Frederico Meyer foi levado por Israel Katz ao Museu do Holocausto, o que foi visto por diplomatas brasileiros como uma forma de ?humilhar” o diplomata e, consequentemente, o próprio Brasil.

Informações do domingo davam conta de que, diante da crise entre Brasil e Israel, Meyer se reuniria com Katz na sede do Ministério das Relações Exteriores de Israel. A programação, porém, mudou, e Meyer foi levado ao museu.

Além disso, Katz informou que o governo de Israel passou a considerar Lula “persona non grata”, ou seja, uma pessoa indesejável no país, até que o presidente brasileiro se desculpasse – o que diplomatas defendem que não aconteça.

Diante disso, o Itamaraty divulgou um comunicado no qual informou que, em razão da ?gravidade” do cenário, Frederico Meyer foi chamado para consultas.

O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, foi chamado a uma reunião com o chanceler brasileiro, Mauro Vieira, ainda na segunda.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Encarregado de negócios

Com a saída de Frederico Meyer, Fábio Moreira Farias deixará a função de ministro-conselheiro e passará à condição de encarregado de negócios do Brasil em Israel.

Com isso, Fábio Moreira Farias passará a ser o chefe interino da representação brasileira em Tel Aviv. Ele pode permanecer na função até que o Brasil indique um novo embaixador ou determine a volta de Frederico Meyer ao posto no exterior.

Diplomata de carreira desde 2004, Farias já atuou na Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (Afepa).

Segundo informações do Itamaraty, o diplomata também já atuou:

  • na representação brasileira na Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York (EUA);
  • na embaixada do Brasil em Assunção (Paraguai);
  • na embaixada brasileira em Washington (EUA).

Relações ?estremecidas?, mas não ?profundamente abaladas’

À GloboNews, o conselheiro emérito do Centro Brasileiro de Relações Exteriores, Marcos Azambuja, avaliou que as relações entre Brasil e Israel devem ficar “estremecidas” diante da nova crise, mas não ?profundamente abaladas? no que ele chamou de ?longo prazo?.

Isso porque, para Azambuja, as relações entre Brasil e Israel são históricas e, com o tempo, deverá ser selado o consenso entre os dois países.

Ex-embaixador do Brasil em países como Argentina e França, Azambuja avaliou que manter um encarregado de negócios em vez de um embaixador em Tel Aviv neste momento dá a ?garantia? de que as relações continuam, ainda que em nível hierárquico inferior.

?Você não interrompe o fluxo das negociações, você abaixa o nível da interlocução. [?] É uma expressão de que as coisas não estão bem, que os dois países estão com o diálogo prejudicado. [?] Mas as relações continuam, mas com capacidade mais moderada de influenciar. [?] É como a febre, é um sintoma de que as coisas não vão bem?, afirmou.

Com passagens pela diplomacia brasileira em cidades como Londres (Inglaterra) e Nova York (Organização das Nações Unidas), Azambuja disse discordar do comportamento do chanceler israelense, Israel Katz, que fez uma cobrança pública a Lula em uma rede social.

?Não se pede desculpas de maneira pública. Se eu quiser uma desculpa sua, a primeira coisa que vou fazer é procurar um intermediário e dizer que quero desculpas. [?] O fato da publicação do pedido de desculpas quase que inviabiliza a desculpa. [?] Você não usa a publicidade para obter as desculpas?, declarou.

Azambuja avaliou, ainda, que o governo de Israel buscou ?humilhar publicamente” Frederico Meyer ao levá-lo ao museu do holocausto.

?Quando você quer desculpas, você usa um intermediário confiável a ambos e fala ‘vamos baixar a bola porque assim não vamos chegar a nada’. […] Agora, quando faço um ato público no museu, com grande publicidade, é para humilhar o embaixador. Você [Israel] não quer desculpa, você quer humilhação pública, é outra coisa. Não é o caminho para o entendimento?, concluiu.

Diferença de status

Na hierarquia diplomática, o status do encarregado de negócios é inferior ao de embaixador.

Isso porque o embaixador, indicado pelo presidente da República e sabatinado pelo Senado, assume o posto como chefe da representação do país num determinado local.

O encarregado de negócios, por sua vez, embora chefie a representação quando designado, o faz de forma interina e não precisa ser sabatinado pelo Senado.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS