REDES SOCIAIS

34°C

Entenda o que é ‘persona non grata’, termo usado por Israel para definir Lula após comparar ação contra palestinos em Gaza ao Holocausto

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O governo de Israel afirmou que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é uma “persona non grata” (alguém que não é bem-vindo, em tradução livre), após o presidente comparar ações de Israel na Faixa de Gaza ao extermínio de judeus na Segunda Guerra.

O termo é um instrumento jurídico utilizado nas relações internacionais para indicar que um representante oficial estrangeiro não é mais bem-vindo. A nomenclatura foi descrita no artigo 9 da Convenção de Viena sobre relações diplomáticas.

De acordo com Tanguy Baghdadi, professor de Política Internacional e criador do podcast Petit Journal, o termo costuma ser usado para pessoas detratoras e apresentam algum risco de hostilidade para um determinado país.

“Na prática, a consequência para o presidente [Lula] é que caso ele decida visitar Israel, provavelmente o país vai negar”, afirmou Baghdadi. Para o especialista, a decisão de classificá-lo como persona non grata é mais prejudicial à imagem do que qualquer coisa.

Para reverter a situação, o professor indica que o Brasil maneje o discurso e afirme que a fala de Lula é mais sobre o excesso do exército israelense na Faixa de Gaza do que a política do governo de Israel como um todo. “Mas não acho que o governo brasileiro fará isso”, diz Baghdadi.

Por que Lula foi chamado de ‘persona non grata”?

No final da semana, Lula classificou como “genocídio” e “chacina” a resposta de Israel na Faixa de Gaza aos ataques terroristas promovidos pelo Hamas no início de outubro. Ele comparou a ação israelense ao extermínio de milhões de judeus pelos nazistas chefiados por Adolf Hitler no século passado.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula.

O petista fez a afirmação após ser questionado sobre a decisão de alguns países de suspender repasses financeiros à Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês) ? entenda mais abaixo o que está acontecendo com a agência.

window.PLAYER_AB_ENV = “prod”

Nesta segunda-feira (19) então, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou nas redes sociais que a comparação feita por Lula é um “grave ataque antissemita que profana a memória daqueles que morreram no Holocausto”.

“não perdoaremos e não esqueceremos ? em meu nome e em nome dos cidadãos de Israel, informei ao Presidente Lula que ele é uma ‘persona non grata’ em Israel até que ele peça desculpas e se se retrate”.

Benjamin Netanyahu, por sua vez, disse que conversou com o ministro e decidiu convocar o embaixador do Brasil para uma reunião sobre a fala de Lula.

Em uma rede social, o premiê declarou que a afirmação banaliza o extermínio de judeus. “Comparar Israel ao Holocausto nazista e a Hitler é ultrapassar uma linha vermelha. Israel luta por sua defesa e garantia do seu futuro até a vitória completa”.

O que está acontecendo com a UNRWA?

Alguns funcionários da Agência das Nações Unidas de assistência aos palestinos (UNRWA) foram acusados no final de janeiro de estarem envolvidos no ataque do Hamas, em Israel, em 7 de outubro de 2023. O porta-voz do governo israelense, Eylon Levy, afirmou que o lugar é uma fachada para o grupo terrorista.

“A agência foi comprometida de três maneiras: contratando terroristas em massa, deixando suas instalações serem usadas para atividades militares do Hamas e se apoiando no Hamas para a distribuição da ajuda na Faixa de Gaza”, afirmou.

À época, a agência afirmou que os funcionários foram demitidos enquanto uma investigação é feita. Segundo o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, um relatório preliminar da equipe de auditoria será apresentando até o final de março, com entrega de um relatório definitivo até o final de abril, que será público.

{
“data”: {“app”:{“image”:”https://s2-g1.glbimg.com/tjs5My3HDIGDQ02Bn16HZe0YZvI=/540×304/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”},”title”:”ONU escolhe ex-ministra da Franu00e7a para investigar agu00eancia “,”type”:”editorial”,”url”:”https://g1.globo.com/mundo/noticia/2024/02/05/diferente-dos-eua-italia-e-alemanha-espanha-doara-cerca-de-r-18-milhoes-a-agencia-da-onu-supostamente-envolvida-nos-ataques-do-hamas.ghtml”,”web”:{“desktop”:”https://s2-g1.glbimg.com/0QqwxidKzRCeHR2ezNx-RLJcGVw=/320×200/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”,”image”:”https://s2-g1.glbimg.com/tjs5My3HDIGDQ02Bn16HZe0YZvI=/540×304/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”,”mobileSizes”:{“L”:”https://s2-g1.glbimg.com/Meb5rf262I8MpszMOA_vgb_tt8o=/414×468/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”,”LL”:”https://s2-g1.glbimg.com/xefWhfatn8bOAyWn94ZUWrw9hdA=/480×543/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”,”M”:”https://s2-g1.glbimg.com/GydtabnSj6u_dmuxglr-5i4jkis=/375×424/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”,”S”:”https://s2-g1.glbimg.com/ln40Lv8SGFpAaj7RHLPvOnZ8WFk=/320×362/middle/smart/https://i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2018/a/z/x4rjWgReKHGQZ6TVADaw/siria2.jpg”}}}
}

Após a acusação, dez dos principais países financiadores da agência suspenderam temporariamente suas doações à entidade: Alemanha, EUA, Austrália, Japão, Itália, Holanda, Canadá, Finlândia, Suíça e Reino Unido.

Um porta-voz da agência também disse que se o financiamento não for retomado, a UNRWA conseguirá prestar seus serviços em toda a região, incluindo Gaza, até fevereiro.

A UNRWA, criada em 1949 após a primeira guerra árabe-israelense, oferece serviços que incluem educação, cuidados primários de saúde e ajuda humanitária aos palestinos em Gaza, Cisjordânia, Jordânia, Síria e Líbano.

Fonte G1 Brasília

VÍDEOS EM DESTAQUE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS